Com novidades, Seleção Brasileira é convocada

bra

Foto: Lucas Figueiredo / CBF / Reprodução Facebook CBF – oficial

Depois de um começo espetacular, conquistando duas vitórias em dois jogos, Tite convocou mais a Seleção Brasileira para os próximos compromissos diante de Bolívia e Venezuela respectivamente.

A convocação contou com seis novidades a começar pelo gol, Alex Muralha do Flamengo foi chamando, Thiago Silva do PSG e Oscar do Chelsea voltam a seleção. Firmino e Fernandinho e Douglas Costa são as demais novidades no elenco canarinho.

Confira os convocados:

Goleiros:
Alisson – Roma (Itália)
Alex Muralha – Flamengo
Weverton – Atlético-PR

Zagueiros:
Gil – Shandong Luneng (China)
Marquinhos – PSG (França)
Miranda – Atlético de Madrid (Espanha)
Thiago Silva – PSG (França)

Laterais:
Daniel Alves – Juventus (Itália)
Fágner – Corinthians
Filipe Luís – Atlético de Madrid (Espanha)
Marcelo – Real Madrid (Espanha)

Meio-campistas:
Casemiro – Real Madrid (Espanha)
Fernandinho – Manchester City (Inglaterra)
Giuliano – Zenit (Rússia)
Lucas Lima – Santos
Oscar – Chelsea (Inglaterra)
Paulinho –  Guangzhou Evergrande (China)
Philippe Coutinho – Liverpool (Inglaterra)
Renato Augusto – Beijing Guoan (China)
Willian – Chelsea (Inglaterra)

Atacantes:
Douglas Costa – Bayern de Munique (Alemanha)
Roberto Firmino – Liverpool (Inglaterra)
Gabriel Jesus – Palmeiras
Neymar – Barcelona (Espanha)

O Brasil que ocupa a segunda colocação na Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 com enfrenta os bolivianos no dia 6 de outubro em Manuas e joga fora de casa diante dos venezuelanos no dia 11 do mesmo mês.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

Anúncios

Causa e Efeito

MICALE_CBF_DIVULGAÇÃO

Foto: Divulgação/CBF- Confederação Brasileira de Futebol

Em todo ano olímpico, a história se repete, principalmente por causa do esporte mais popular do mundo: o futebol. Desde 1908, está presente na categoria masculino; e desde 1996, também entre as mulheres, nas disputas pelas medalhas dos Jogos Olímpicos. Para evitar uma “Copa do Mundo” realizada a cada dois anos, a FIFA, entidade máxima do futebol mundial, impede que atletas acima de 23 anos, disputem o torneio olímpico de futebol, organizado pelo Comitê Olímpico Internacional. (COI).

E por ironia do destino, a Seleção Brasileira de Futebol, em mais de 100 anos de disputa e tradição no esporte mais popular do mundo, nunca chegou ao ponto mais alto do pódio na Olimpíada. Pódio que, em termos de Copa do Mundo, reina absoluto desde que a história das Copas começou, em 1930. Afinal, nenhuma outra nação do mundo tem cinco títulos mundiais no currículo.  E o Brasil persegue e deseja a conquista do ouro olímpico, que aliás, é o único título de destaque internacional que o futebol brasileiro ainda não possui.

E ao assistir as primeiras partidas do futebol olímpico nos jogos do Rio-2016, um dilema me veio à mente. Por que será que a conquista da medalha de ouro é tão importante? E será que é mesmo assim? E por que nem o Brasil, nem a CBF dão a devida importância à Seleção Olímpica, e as categorias de base no futebol brasileiro? E por mais que o discurso seja diferente, será que existe o interesse real de se conquistar a medalha de ouro olímpica no futebol? Na prática, sinceramente, não vejo a CBF trabalhar por essa conquista.

O interesse no ouro olímpico fica mais evidente para o discurso do que para a prática. Ou então me respondam: a CBF escolhe os melhores jogadores, tem a melhor comissão técnica, realiza amistosos com frequência, e dá a devida atenção às categorias de base do futebol?  O próprio retrospecto da Seleção Brasileira, tanto nas Copas, quanto nas Olimpíadas, provam que o real interesse na conquista da medalha de ouro olímpica, por parte da CBF, não passa de “conversa mole pra boi dormir”.

As próprias atitudes da CBF demonstram que o desejo pela medalha de ouro não é assim tão fervoroso.  Ora, por que os técnicos que dirigiram a Seleção no torneio de futebol na Olimpíada, não estão presentes dois anos depois da mesma, sentados no banco de reservas durante a Copa do Mundo? Outro questionamento: quantos jogadores entre os convocados do time olímpico, também estiveram presentes no grupo, dois anos depois na Copa do Mundo? Logo, se não há continuidade, aliado a trabalho de base feito com seriedade e critério, como se ter sucesso no futebol olímpico?

Essa falta de critério e continuidade, podem servir como explicação perfeita para a goleada de 7 a 1, sofrida pela Seleção Brasileira na Copa de 2014. Na última quinta-feira, a Seleção Brasileira estreou no torneio de futebol da Olimpíada, jogando de maneira burocrática contra a África do Sul. As equipes empataram sem gols numa partida absolutamente sem graça, deixando o torcedor brasileiro sem esperanças, da conquista do inédito ouro olímpico no futebol. Não seria uma continuação da última Copa do Mundo, com o time jogando com dependência excessiva de um único jogador?

É mais ou menos como uma relação de causa/efeito. Ou seja, vergonha na Copa do Mundo, eliminação na Copa América, futebol sem graça na Olimpíada. É o trinômio do fracasso! E como mudar essa situação? Essa relação de causa-efeito deixa o futebol brasileiro cada vez mais previsível, sem graça e sem perspectivas de vitórias. Pobre torcedor, pobre futebol brasileiro!

Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

Sob o comando de Magnano, Brasil segue preparação em SP

 

Sob o comando do técnico Rubén Magnano, a Seleção Brasileira de Basquete Masculina seguiu forte nos trabalhos de preparação para o Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que se realizarão em agosto.

Foto bas 1Treinos físicos, táticos e de posicionamento em quadra foram os pontos abordados na atividade. O ala Marquinhos falou sobre o contato com todo o elenco e trabalho que vem sendo realizado: “Estamos trabalhando a cerca de 12 dias, o grupo todo convocado pelo Magnano (Rubén). Está bem intenso, estamos trabalhando em dois períodos na maioria dos treinos, para obter o máximo de entrosamento, para no dia 7 (estréia nas Olimpíadas) fazer bonito”.

O ala-pivô, Rafael Hettsheimeir, de 2,08 m de altura, falou que a equipe chegará bem à disputa no Rio 2016, apesar da grande carga de jogos de alguns atletas: “Estamos todos juntos e a equipe chegará bem, apesar de muitos terem jogado muito no NBB, ou na NBA, ou na Europa. Contudo, acho que o Rubén está dosando as atividades em treino e todo mundo vai chegar bem”.

Por sua vez, Larry Taylor, naturalizado brasileiro em 2012, fala da sensação de disputa as Olimpíadas no Brasil: “Primeira coisa, não sou mais americano, sou brasileiro! Estou aqui quase oito anos e para mim será uma experiência muito boa, jogando em casa, na frente de nossa torcida, todo mundo com boas expectativas. Espero que nós consigamos fazer uma boa campanha nas Olimpíadas”. Quando indagado sobre a evolução do basquete brasileiro nas últimas oito temporadas, Taylor não teve dúvidas ao falar que o basquete está crescendo no país: “Desde de que cheguei aqui em 2008, estou vendo que, cada vez mais, o basquete tem crescido aqui no Brasil. A seleção também a cada ano. Os jogadores estão mais focados (…), nós chegamos perto, mas não conseguimos nosso objetivo (No Campeonato Mundial de 2014, o Brasil acabou derrotado nas quartas de finais), mas agora teremos mais uma oportunidade pela frente”, afirmou o jogador de 35 anos, que atua pelo Mogi das Cruzes.

O Brasil está no chamado grupo da morte nas Olimpíadas ao lado de Argentina, Espanha, Lituânia e Nigéria, além de uma equipe que será classificada através do Pré-olímpico que está sendo realizado na Itália, Sérvia e Filipinas.

Siga-nos no Instagram: templodosesportes

Por Matheus Furlan

Basquete masculino brasileiro realiza preparação em São Paulo

Foto bas 1

De olho nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a Seleção Brasileira de Basquete Masculino realiza a sua preparação para os jogos, em São Paulo. Ao todo, 14 jogadores foram convocados para os treinamentos, mas apenas 12 poderão ser inscritos na competição. Ademais, o Brasil já sofreu uma baixa, uma vez que Vitor Faverani, do UCAM Murcia da Espanha, se apresentou a seleção com lesão no joelho direito e está fora dos Jogos Rio 2016.

Desta forma os atletas que estão treinando na capital paulista são:

ARMADORES

Marcelinho Huertas – Los Angeles Lakers (EUA)

Rafael Luz – Flamengo

Raulzinho Neto – Utah Jazz (EUA)

Larry Taylor – Mogi das Cruzes

Leandrinho Barbosa – Golden State Warriors (EUA)

ALAS

Alex Garcia –  Bauru

Marcus Vinicius – Flamengo

Vitor Benite – UCAM Murcia (ESP)

PIVÔS

Guilherme Giovannoni – Brasília

Rafael Hettsheimeir – Bauru

Anderson Varejão – Golden State Warriors (EUA)

Augusto César – Real Madrid (ESP)

Nenê Hilário – Washington Wizards (EUA)

Com uma média de idade de 30 anos e de altura de 1.99 cm, o Brasil contará com a ajuda da torcida, mas também, com a pressão da mesma. Em entrevista, logo após o treino, realizado nesta terça feira (5) com Hebraica, em São Paulo, Guilherme Giovannoni, um dos mais experientes do grupo com 36 anos, falou sobre a média de idade do time nacional: “Acho que hoje nós temos tanto a maturidade, como a juventude da garotada. Essa mescla é muito importante. Sem dúvida isso irá nos ajudar. O Rubén (Magnano, técnico da seleção) é um técnico muito inteligente e saberá utilizar isso”, afirmou o jogador do Brasília.

De forma diferente de um passado não muito distante, o Brasil se tornou uma seleção multi cultural, com jogadores que atuam em diversos centros: Seis atletas jogam na NBA, cinco no NBB e mais dois na Liga Espanhol. O ala Benite, do Murcia da Espanha, fala sobre o que pode ser tirado de bom dessa mescla: “Olha eu acredito que hoje o mundo é muito globalizado, você consegue aprender muito da cultura de outros países. Tudo isso faz o jogadores crescerem e o estilo de jogo de outras culturas. Eu venho jogando na Liga Espanhola, que é segunda melhor liga do mundo, temos muitos jogadores jogando na liga americana, então, é tentar agregar ao máximo o que todos vêm aprendendo, para juntar na seleção. É um grupo que já se conhece muito, acho que não existe essa dificuldade, acho que existe é uma ajuda que vim de fora com outro estilo de técnica, com outro estilo de jogo, tudo isso ajuda muito nos treinos”.

O último a falar conosco foi Raulzinho Neto, do Utah Jazz, um dos atletas mais jovens do Time Brasil e falou sobre a expectativa de disputar os Jogos Rio 2016: “A ansiedade começa a bater agora. Antes de eu me apresentar para a seleção, eu estava com a cabeça na minha preparação, lá nos Estados Unidos, no final da minha temporada na NBA, então não pensava muito nas Olimpíadas. Agora que nós começamos a treinar, começa a chegar mais perto (a realização dos jogos) bate o friozinho na barriga, a ansiedade, a vontade e até nos motiva a chegar o mais rápido possível e o melhor possível nas Olimpíadas”, afirmou o jogador brasileiro.

A seleção brasileira segue sua preparação em São Paulo até o final do mês de Julho, nesse período além dos treinamentos, o Brasil enfrentará o quadrangular contra Austrália, China e Lituânia e dois amistosos contra Romênia e Austrália.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

É justo, muito justo…. É justíssimo!

Tite_Foto_Divulgação

Foto: Divulgação

Benedito Ruy Barbosa e seu personagem Coronel Belarmino, da novela Renascer, exibida em 1993, que me perdoem. Mas o fato esportivo da semana não me dá outra alternativa, a não ser parafrasear o personagem imortalizado pelo saudoso ator José Wilker na novela que fez tanto sucesso nos anos 80.  Ou seja, é justo, muito justo, é justíssimo que Tite tenha sido escolhido o novo treinador da Seleção “brasileira” de Futebol.

É claro que ele ainda nem assumiu o cargo. Mas sua postura séria e trabalhadora durante toda sua carreira o credencia ao cargo. E nos últimos anos, tal função lhe cabe como uma luva. Afinal de contas, ele conquistou os principais títulos que um treinador poderia conquistar no currículo.  Foram dois Campeonatos Brasileiros, uma Libertadores, um Mundial de Clubes da FIFA, uma Recopa Sul-Americana. Sem nos esquecermos dos outros títulos que Tite conquistou ao longo da carreira.

E como o próprio treinador gosta de frisar em suas entrevistas, para justificar ou explicar suas vitórias e conquistas, baseadas na seriedade e no trabalho, ou seja: ME-RE-CI-MEN-TO. Afinal de contas, ele é o principal treinador do futebol brasileiro, pelo menos há quatro anos, desde 2011, quando retornou ao Corinthians, depois de uma primeira passagem muito boa, mas não compreendida, nem devidamente reconhecida pela Trio Alberto Dualib, Kia Joorabchian, MSI, entre os anos de 2004 e 2005.

De lá para cá, outros bons trabalhos, executados no São Caetano, no Atlético Mineiro, no Internacional de Porto Alegre, e também no futebol do exterior. Tite rodou por outros clubes, até se reencontrar no Corinthians, onde o profissional se consagrou com o título sul-americano e mundial, que amenizou e lhe fez justiça no clube pelo qual foi demitido e preterido sete anos antes.

Em 2014, Tite viajou pela Europa, para se reciclar e aprender um pouco mais sobre o ofício que ele já desempenha tão bem: o de treinador de futebol. Depois do vexame na Copa do Mundo, sinceramente eu supunha e esperava que ele fosse o escolhido para comandar o time brasileiro. Mas a CBF perdeu tempo, colecionou vexames, e só agora, dois anos depois, e a dois anos da próxima Copa, com a Seleção em sexto lugar nas eliminatórias sul-americanas, resolve dar a Tite o cargo que deveria ser seu, por direito e merecimento há no mínimo, quatro anos.

É claro que não há como prevermos como será a passagem de Tite pela Seleção. Evidentemente, que a função de treinador de campo é a mesma; entretanto, Tite terá outros problemas de ordem política e de relacionamento com dirigentes de clubes, e da própria CBF à sua frente.  Creio que o gaúcho de Caxias do Sul, 55 anos de idade, terá experiência e maturidade de sobra para resolvê-los.

Sinceramente, estou otimista com a escolha de Tite para ser o treinador da Seleção “brasileira”. Quem sabe se com ele no comando, eu volte a chamá-la de “Brasileira”, e sob sua batuta, o futebol brasileiro volte a aparecer e encher a torcida de orgulho.  Por enquanto, são essas as expectativas, e não me cabe fazer qualquer julgamento ou análise sobre um trabalho que nem sequer começou. Mas o fato de seu nome ter sido escolhido para comandar a seleção, como diria o Coronel Belarmino, ” é justo, é muito justo, é justíssimo”.

 Por Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

O time da CBF

Foto: pt.wikipedia.org

Foto: pt.wikipedia.org

Confesso que a tarefa não é muito agradável, principalmente quando você se torna uma pessoa relativamente conhecida da opinião pública, defender, e principalmente, sustentar suas teses e ideias. Com aqueles que tem a mesma opinião que a sua, atingimos o objetivo de forma relativamente fácil. Mas o complicado é quando tem de se debater em alto nível, e fundamentalmente com argumentos sustentáveis para defender as suas posições, com aqueles que tem opiniões divergentes às suas.

E este que vos escreve já passou da fase de ter a cabeça feita. Aliás, ela já foi formada há muito tempo. O senso crítico que nos escolta por toda a vida foi formado pela convivência com amigos, familiares, colegas de profissão, por pessoas que admiramos, tanto na vida profissional, na acadêmica, e na pessoal. Tudo isso foi conquistado com base em nosso senso de observação e critério, que usamos para opinar e julgar os fatos com o máximo de isenção possível. Aliás, é isso que se espera de um bom jornalista.

Mas fazer isso no jornalismo esportivo é muito complicado. Ao analisar o futebol então, a tarefa é quase impossível. Mas há muito tempo, depois de tanto acompanhar jogos de futebol, e principalmente a Confederação Brasileira, responsável pela Seleção Brasileira, no que se refere aos aspectos políticos e administrativos, fica mais simples separar a emoção – de torcer apaixonadamente pela Seleção Brasileira – e a razão, de criticar duramente os desmandos e irregularidades que os dirigentes da CBF cometem, há anos.

Por conta dos mesmos dirigentes, a paixão nutrida pela “seleção brasileira” – que eu já havia prometido me referir à ela, sempre escrevendo com letras minúsculas e entre aspas -, foi diminuindo com o passar dos anos. Anos que ficaram marcados por lambanças históricas, como a campanha ridícula da Copa de 90; a vergonha protagonizada por elenco, comissão técnica e médica na Copa de 98, permitindo que Ronaldo disputasse a final da Copa, apenas seis horas depois de ter sofrido uma convulsão; a lambança e a desorganização da Copa de 2006, transformando a concentração e o sossego dos atletas num verdadeiro Big Brother; o time burocrático da Copa de 2010 com muita atitude, mas pouca bola; e o vergonhoso selecionado que levou 7 gols da Alemanha, na Copa do Mundo disputada em solo brasileiro depois de 64 anos. Esses são fatores que, fundamentalmente, minam a paixão de qualquer torcedor, por mais fanático que ele seja.

Mas não são somente reveses. O futebol maravilhoso que não conquistou títulos em 82 e 86.  Outra compensação, são as conquistas maiúsculas de 1958, 1962, 1970, 1994 e 2002, que ainda fazem do Brasil, o único pais do globo a ter cinco títulos mundiais em Copas do Mundo.  Recordes, retrospecto e uma história gloriosa. História que vem sendo manchada pelos atuais jogadores da Seleção, que nem de longe lembram a “seleção brasileira”. Jogadores milionários que defendem suas equipes europeias, e que servem a “seleção brasileira” não com prazer e vontade, mas por mera obrigação burocrática. Atletas que não tem a menor identificação com o torcedor brasileiro, e que ao perder um jogo envergando a gloriosa camisa amarela, nem vergonha passam, afinal de contas, poucas horas depois do jogo embarcam no primeiro avião rumo à Europa, e nem sequer cruzam com o torcedor nas ruas.  Essa foi a grande contribuição, ou porque não dizer, a triste transformação que a Confederação fez, da gloriosa Seleção Brasileira, em Time da CBF.

Por: Ivan Marconato publicado no site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

Seleção Olímpica é conovocada

Foto: pt.wikipedia.org

Foto: pt.wikipedia.org

A Seleção Brasileira Olímpica foi convocada nesta sexta feira, 30, para os duelos amistosos diante dos Estados Unidos nos dias 11 e 15 de novembro. As partidas serão realizadas em Recife e Belém respectivamente.

O Brasil que vence de duas goleadas 6 x 0 sobre a República Dominicana e 5 x 1 sobre o Haiti tem a mesma formação base e como as partidas acontecem nas datas próximas as eliminatórias, os clubes não serão afetados.

Confira os convocados:

Goleiros:
Ederson – Benfica
Uilsson – Atlético Mineiro

Zagueiros:
Lucão – São Paulo
Marlon – Fluminense
Doria – Granada/ESP
Rodrigo Ely – Milan/ITA

Laterais:
Douglas Santos – Atlético Mineiro
Fabinho – Mônaco/FRA
Zeca – Santos
Wendell – Bayer Leverkusen/ALE

Meias:

Fred – Shakhtar Donetsk/UCR
Lucas Silva – Olympique de Marseille/FRA
Rodrigo Caio – São Paulo
Valdivia – Internacional
Gustavo Scarpa – Fluminense
Walace – Grêmio
Felipe Anderson – Lazio/ITA

Atacantes:
Gabriel – Santos
Luan – Grêmio
Gabriel Jesus – Palmeiras
Vinícius Araújo – Cruzeiro
Kenedy – Chelsea/ING

A novidade fica por conta de Scarpa do Fluminense que não esteve presente nos dois últimos jogos da seleção. O técnico Rogério Micale sabe que tem uma grande responsabilidade com essa equipe.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

por: Matheus Furlan

Dunga convoca Brasil para próximos compromissos

Foto: copa2014.gov.br

Foto: copa2014.gov.br

Na manhã desta quinta feira, 13, o técnico Dunga convocou a Seleção Brasileira para os próximos compromissos da equipe. Dunga convocou 24 atletas, dentre eles, Neymar que está suspenso por quatro jogos após expulsão diante da Colômbia na Copa América. A CBF ainda tenta a liberação do atleta para os próximos compromissos da equipe.

A lista também trouxe novidades como o goleiro Alisson do Internacional e o meio Lucas Lima do Santos, confira os escolhidos pelo treinador:

GOLEIROS

Jefferson (Botafogo)
Marcelo Grohe (Grêmio)
Alisson (Internacional)

LATERAIS

Daniel Alves (Barcelona)
Danilo (Real Madrid)
Filipe Luís (Atlético de Madrid)
Douglas Santos (Atlético-MG)

ZAGUEIROS

Miranda (Internazionale)
David Luiz (PSG)
Gabriel Paulista (Arsenal)
Marquinhos (PSG)

VOLANTES

Luiz Gustavo (Wolfsburg)
Elias (Corinthians)
Ramires (Chelsea)
Fernandinho (Manchester City)

MEIAS

Oscar (Chelsea)
Douglas Costa (Bayern de Munique)
Willian (Chelsea)
Lucas Lima (Santos)
Kaká (Orlando City)

ATACANTES

Neymar (Barcelona)
Roberto Firmino (Liverpool)
Lucas (PSG)
Hulk (Zenit)

As voltas do meia Kaká do Orlando City e do atacante Hulk do Zenit da Rússia chamaram a atenção de muitos, pelo visto o treinador busca tirar toda a pressão que existe sobre apenas um jogador na seleção nacional.

O Brasil entra em campo no doa 5 de setembro contra a Costa Rica em New Jersey e no dia 8 do mesmo mês dia diante dos Estados Unidos em Boston.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

por: Matheus Furlan

Com Falcão na lista, Seleção de Futsal é convocada

Foto: luzhotel.com.br

Foto: luzhotel.com.br

Depois de muitas discussões, Falcão está de volta a seleção brasileira de Futsal. A algumas semana a CBFS, confederação que rege a modalidade elegeu um novo presidente e o maior jogador de futsal de todos os tempos voltou a se colocar a disposição do  Brasil após falar que não jogaria mais  pelo país devido a gestão anterior.

Quem também voltou foi o técnico Sérgio Schiochet que convocou 14 atletas para a disputa da Copa América da modalidade que acontece entre os dias 23 e 30 de agosto no Equador.

A lista é composta por atletas de quatro equipes do futsal nacional, confira os escolhidos:

Goleiros

Guitta (Corinthians), Tiago (Brasil Kirin), Gian (Carlos Barbosa);

 

Fixos

Ciço (Intelli), Neto (Corinthians), Rodrigo (Brasil Kirin);
Alas

Gadeia (Intelli), Arthur (Corinthians), Jackson (Intelli), Xuxa (Brasil Kirin), Falcão (Brasil Kirin);
Pivôs

Simi (Corinthians), Pito (Carlos Barbosa), Dieguinho (Intelli).

A seleção brasileira é uma das melhores do mundo na modalidade e não pode se deixar apequenar por causa de problemas externos.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

por: Matheus Furlan

Dunga convoca seleção para a Copa América 2015

Foto: conmebol.com

Foto: conmebol.com

Na manhã desta terça feira, 5, o técnico Dunga convocou a seleção brasileira que vai disputar a Copa América de 2015 que será realizada no Chile entre os dias 11 de junho e 4 de julho.

Na lista do treinador a ausência de Oscar, meia do Chelsea, foi a mais comentada uma vez que o jogador vinha sendo constantemente convocado, mas de acordo com o comandante da equipe, o jogador brasileiro teve uma lesão durante os treinos da equipe e sua recuperação deve ser um pouco longa e com isso o escolhido para o lugar de Oscar foi Éverton Ribeiro que atua pelo Al Ahly.

Diego Tardelli que atualmente joga no  Shandong Luneng da China foi outro lembrado pelo treinador, confira a lista dos convocados por Dunga para a competição:

Foto: diariodolitoral.com.br

Foto: diariodolitoral.com.br

GOLEIROS
Jefferson (Botafogo)
Diego Alves (Valencia)
Marcelo Grohe (Grêmio)

LATERAIS
Danilo (Porto)
Fabinho (Monaco)
Filipe Luís (Chelsea)
Marcelo (Real Madrid)

ZAGUEIROS
Thiago Silva (PSG)
Miranda (Atlético de Madrid)
David Luiz (PSG)
Marquinhos (PSG)

VOLANTES
Luiz Gustavo (Wolfsburg)
Fernandinho (Manchester City)
Elias (Corinthians)
Casemiro (Porto)

MEIAS
Willian (Chelsea)
Éverton Ribeiro (Al Ahly)
Douglas Costa (Shakhtar Donetsk)
Coutinho (Liverpool)

ATACANTES
Neymar (Barcelona)
Robinho (Santos)
Roberto Firmino (Hoffenheim)
Diego Tardelli (Shandong Luneng)

O Brasil se apresenta no dia 1° de junho no Rio de Janeiro e realiza dois amistosos antes da disputa da Copa América, no dia 7 de junho joga diante do México em São Paulo e no dia 10 enfrente Honduras em Porto Alegre.

O Brasil esta no grupo C da competição ao lado de Peru, Colômbia e Venezuela e a estréia brasileira acontece no dia 14 de junho, diante do Peru.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

por: Matheus Furlan