Corinthians goleia Santa Cruz no Mato Grosso

A vitória era esperada, isso com certeza, mas o Corinthians tomou um verdadeiro sufoco do Santa Cruz no começo da partida em Cuiabá. O time paulista até que teve um começo razoável, mas minutos mais tarde só deu Santa. Keno livre de marcação fazia  o que queria e Walter salvou o time do Corinthians em ao menos quatro oportunidades até que no rebote de uma defesa do goleiro, Grafite marcou Santa Cruz 1 x 0.

Somente ai parece que o Timão acordou de vez. Com jogadas mais aguda, o time passou a pressionar o Santa Cruz. Depois de boa jogada pela direita, Marlone cruzou e achou Guilherme dentro da área, que dominou e colocou no canto do goleiro pernambucano, 1 x 1 aos 37 minutos da primeira etapa, encerrava aqui a série de quatro partidas do Timão sem marcar gols.

Após o intervalo, o time paulista voltou voando, literalmente e com menos de 10 minutos da segunda etapa, Marlone em um belo chute cruzado e Guilherme de cabeça, marcando o segundo dele no jogo deixavam o Corinthians com o placar favorável em 3 x 1.

Algumas oportunidades foram criadas, mas com a vantagem no placar, o Timão recuou e Santa passou a fazer pressão no ataque até que aos 35 minutos, Keno da entrada da área, chutou cruzado e não deu chances para Walter, 3 x 2.

Placar próximo o Santa Cruz foi para cima e Lucca entrou no lugar de Guilherme para fazer o quarto gol corinthiano na partida. Chute, literalmente um chute de Marquinhos Gabriel para dentro da área do Santa Cruz e de carrinho, o camisa 30 empurrou para dentro da meta do goleiro Edson Kölln, Corinthians 4 x 2, placar final,

Autor do último gol corinthiano, Lucca afirmou que o time aproveitou as oportunidades. “Hoje, aproveitamos as oportunidades. Nos outros jogos, tivemos muitas, mas a bola não entrava”, disse, mas também falou que são preciso acertos. “Precisamos consertar. Tomamos dois gols que não poderiam ter acontecido. Só que vamos tentar consolidar a melhora com uma vitória no fim de semana”

Para a próxima partida o Corinthians já deverá ter em seu comando o técnico Oswaldo de Oliveira que foi contrato jundo ao Sport. O treinador que já comando o clube do Parque São Jorge não poderá contar com  Marquinhos Gabriel que levou o terceiro cartão amarelo e cumprirá suspensão, mas terá os reforços de Fagner e Romero que estavam nas seleções brasileira e paraguaia respectivamente.

O Timão enfrente o América-MG, domingo às 18:30, na Arena Corinthians buscando mais três pontos na tabela de classificação e subir do atual oitavo lugar com 45 pontos, mas que pode virar nono, caso o Grêmio vença o Atlético-PR jogando em casa no complemento desta 30° rodada.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

Anúncios

Diga ao povo que fico!

guarani

Foto: Divulgação

É preciso que clubes mais tradicionais do futebol brasileiro, entre eles a querida Portuguesa de Desportos, e o não menos importante Guarani, da cidade de Campinas, voltem para ficar.  Em Julho deste ano, estive presente no estádio do Canindé – quase vazio, numa segunda-feira à noite, para transmitir o jogo entre os dois queridos clubes do estado de São Paulo.  A partida era válida pela série C do Campeonato Brasileiro. Em tempos idos do futebol brasileiro, os dois times brilhavam na série A.

Tempos gloriosos em que a Lusa disputou finais de campeonatos estaduais, e do campeonato brasileiro, cujo título naquele dezembro de 1996 “bateu na trave” Já o Guarani – o único campeão brasileiro do interior, venceu o Palmeiras na final do Brasileirão de 1978. Depois disso, duas finais consecutivas de Brasileirão da série A, com o Bugre perdendo o título nas duas oportunidades, em 1986, na derrota diante do São Paulo, e no ano seguinte, novamente derrotado frente ao Sport.

No último sábado, o tradicional estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, que eu conheci aos cinco anos de idade, numa visita feita à casa do meu tio Máximo, em 1980, voltou a ser palco de emocionanetes disputas no futebol brasileiro. Afinal de contas, o Guarani bateu o ASA de Arapiraca por 3 a 0, e garantiu o acesso à série B do Campeonato Brasileiro em 2017.

O feito é importante, afinal de contas, o Guarani precisa se reerguer para voltar à elite do futebol paulista e brasileiro. Há quatro anos o Bugre campineiro está na série C, chegando a correr sérios riscos de perder o seu maior patrimônio, o estádio Brinco de Ouro da Princesa, local que já  foi palco de final de campeonato brasileiro – e da primeira divisão! Os últimos anos não têm sido fáceis para o Guarani, que chegou a correr risco de ser rebaixado à série D do futebol nacional.

É claro que o Bugre ainda não retornou à elite. Mas na série B, as cotas de televisão, bem como a exposição do clube será maior. Com isso, o Guarani poderá obter um respiro financeiro.  Espero que a Lusa se inspire no Bugre, e também consiga o acesso à série B. Evidentemente, a situação ainda não é a ideal, afinal, o lugar dos dois times é na elite. Entretanto, é preciso que seja dado um passo de cada vez, com organização, trabalho e profissionalismo rumo às grandes competições do futebol nacional. Por isso, uma longa caminhada ainda se faz necessária, tanto para o Guarani, e principalmente para a Portuguesa. Que os dois queridos clubes paulistas retornem brevemente à série A.Para que possam dizer ao povo que ficarão!  E de lá nunca mais sair!

Por Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

TOUCHDOWN PARA OS LUSA LIONS

lusa-lions

Foto: Reprodução / Facebook Lusa Lions

Na última quarta-feira (5), o colunista Ricardo Veras (Veras Lusa) conversou exclusivamente com o atleta Miguel Andreone, do Lusa Lions  – time de futebol americano da Portuguesa. O jogador da Lusa comentou sobre o jovem time da Lusa, a ascensão do elenco e o bom público sempre presente no estádio  Oswaldo Teixeira Duarte.

Andreone começou a jogar futebol americano aos 17 anos em 2007, alguns anos depois ingressou no time Guarulhos Lions, de lá para cá, a sua paixão pela prática deste esporte só aumentava, além do elenco que ano a ano ficava cada mais forte e competitivo, tanto que em 2014, o Lions se uniu a Portuguesa, tornando se o forte time paulista Lusa Lions.

Título

Os Lions já contam em sua curta história a conquista recente de um título paulista – São Paulo Football League, troféu erguido sobre o São Paulo Storm, além da marcante comemoração do título, Miguel conta a emoção e a festa do público presente,

“ Na final eram cerca de três mil torcedores que prestigiaram a nossa conquista do título estadual, foi uma festa  emocionante que ocorreu naquele jogo, no Canindé”, contou.

Andreone comentou sobre a média de idade dos jogadores do Lions, e a mescla que torna o time competitivo,

“Estamos com cerca de 50 pessoas no elenco, a média dos jogadores está entre os 23 anos, há os mais novos, garotos com 19 anos, porém temos também os mais maduros, que ajudam bastante na condução do nosso time – atletas de até 40 anos, mas a garotada é muito forte para o nosso time – tanto que fomos campeões agora”, afirmou o jogador rubro verde.

Jardas conquistadas

Nos últimos anos, foi notável o avanço e o interesse pelo público da modalidade norte americana no país, fenômeno que ocorre principalmente entre os jovens, para os Lions ainda mais, “só o fato de jogarmos no Canindé e o treino ocorrer no Centro de Treinamento da Portuguesa, já é uma enorme demonstração do crescimento e interesse do público pelo futebol americano, há alguns anos os treinos e jogos eram realizados apenas no parque do Ibirapuera ou em outros campos públicos da cidade”, contou Miguel.

Atualmente lesionado, Andreone conta que o futebol americano está se expandindo por todo o país, tanto que o time Lusa Lions está em constante viagem pelo interior paulista e até mesmo brasileiro, neste sábado (8), o Lions enfrentará os Tubarões do Cerrado em Brasília, após serem campeões na conferência Oeste, pela Liga Nacional, os Play Offs já estão agendados, a primeira data esta confirmada, no dia 23 de outubro, as 10h, no Canindé–  diante do mesmo Tubarões do Cerrado.

Por Ricardo Veras para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

TIMÃO FICA NO EMPATE COM O GALO EM CASA

A cada jogo que passa, a Arena Corinthians registra seu pior público e na noite desta quarta feira, (5), diante do Atlético-MG em partida válida pela 29° rodada do campeonato nacional, o estádio registrou 17.135 pessoas.

O Timão teve algumas boas oportunidades na primeira etapa, sendo duas com o atacante Gustavo, que chegou a colocar a bola nas redes na segunda oportunidade, mas o tento acabou anulado pela arbitragem, que afirmou que o atacante corinthiano cometeu falta no defensor do galo. Rodriguinho também teve chance mais acabou isolando. Hyuri também chegou cara a cara com o goleiro Walter, mas perdeu a chance em duas oportunidades.

Na segunda etapa, o Galo voltou abaixo do esperado e acabou sofrendo ainda mais após a expulsão de Leandro Donizete. O Corinthians ainda buscou o gol, tentou, mas a equipe chegou ao seu sexto jogo sem vitória, dois empates e quatro derrotas, e corre agora ocupa a oitava colocação na tabela com campeonato.

Para o meia Marquinhos Gabriel, as cobranças sofridas pela equipe ão mais do que justas.  “As cobranças  são justas porque não estamos conseguindo vencer, mas estamos jogando bem. A comissão técnica está vendo que estamos bem, só contra o Botafogo fomos abaixo da média. Vamos conseguir essa vaga, é só acreditar”, afirmou.

O próximo duelo da equipe do Parque São Jorge acontece no dia 12 de outubro, diante do Santa Cruz, em Cuiabá.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

Onde a Arena vai mal…

triv

Foto: trivelo.uol.com.br

De alguns anos para cá, os campeonatos de futebol sofreram profundas mudanças, principalmente em relação ao número de equipes participantes. Como exemplo, podemos citar o principal torneio do futebol mundial, a Copa do Mundo de Seleções, que também passou por esse processo. No Mundial da Argentina, em 1978, foram dezesseis seleções em busca da Taça. Quatro anos mais tarde, na Espanha, vinte e quatro países brigariam pelo título. Dezesseis anos depois, no Mundial da França em 1998, foram 32 seleções disputando o posto de melhor país no mundo do futebol.

Me inspirei nos anos 70 para compor o título da coluna desta semana. Numa época em que a Confederação Brasileira de Desportos (CBD), depois transformada na atual CBF, incluía clubes no campeonato nacional de futebol para agradar seus pares e afilhados políticos. Nada mais anti-desportivo, afinal de contas, o critério de favorecimento era baseado em interesses políticos e econômicos, e os aspectos técnicos iam para o espaço. Fato absolutamente lamentável e incompatível com o esporte. Por isso, à época, o povo criou o bordão: “Onde a ARENA vai mal, mais um clube no Nacional”

A atual decisão da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) foi o estopim para ativar minha memória, em relação à frase que dá título à minha coluna desta semana para o Jogo em Pauta.com, sua crônica esportiva on line. A Copa Libertadores passará a ter 42 equipes em 2017, além de uma final única, disputada em campo neutro. Assim como a Champions League. Além disso, a competição sul-americana terá início em fevereiro e terminará em novembro. Algo que o continente americano, por tradição, não está acostumado. Clubes, imprensa, torcida! Nunca se viu tal sistema implementado em terras sul-americanas.

E mais: será que existem 42 equipes de qualidade no continente americano, fazendo jus a um título tão importante quanto ao da Libertadores da América? Diante da “baciada” de clubes envolvidos, aposto que Símon Bolivar, o líder que lutou para que vários países do continente americano deixassem de ser colônias espanholas, deve estar se revirando no túmulo. No futebol, nem sempre a quantidade é sinônimo de qualidade. Espero sinceramente, ,mas com muito pessimismo, que esse aumento no número de clubes que disputarão a Libertadores não tenha impacto técnico e na qualidade apresentada no principal campeonato de futebol do continente americano.

Por Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

HAT-TRICK: TIMÃO PERDE A TERCEIRA SEGUIDA NO BRASILEIRÃO

Isso mesmo. O Corinthians chega a sua terceira derrota seguida no Campeonato Brasileiro. Neste final de semana, o clube da capital paulista foi derrotado pelo Botafogo por 2 x 0 gols de Neilton e Diogo Barbosa. Apesar de toda a reclamação dos corinthianos de que no primeiro gol o atacante botafoguense estava impedido e no segundo tento a bola bateu no braço do jogador carioca, o placar foi mais do que justo.

Vale lembrar também que o Corinthians ainda teve uma penalidade a seu favor, mas acabou não sendo convertida por Marquinhos Gabriel, Sidão defendeu.

Para o técnico Fabio Carille, o primeiro tempo foi abaixo do esperado. “O nosso primeiro tempo foi muito abaixo, muito desarme, pouca finalização, entramos com a atenção bem baixa. Nos últimos jogos criamos várias oportunidades, e hoje não conseguimos render o esperado. Tentamos motivar, mas o primeiro tempo foi muito abaixo”.

Com três derrotas seguidas e apenas um ponto conquistado nas última cinco rodadas, o Corinthians pode chegar a lanterna da competição contando apenas os jogos do segundo turno. Para que isso aconteça basta que o Santa Cruz vence o Palmeiras na próxima segunda feira, (3).

Para a próxima partida na quarta feira, (5), diante do Atlético-MG, na Arena Corinthians, o time paulista contará com as voltas de Rodriguinho e Giovanni Augusto que cumpriram suspensão mas não terá Romero que levou o terceiro amarelo.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

SANTOS DERROTA O INTERNACIONAL E LEVA VANTAGEM PARA O SUL

Pouco mais de 6 mil torcedores foram até a Vila Belmiro e presenciaram a vitória do Peixe por 2 a 1 sobre o Internacional, em jogo válido pelas quartas de final da Copa do Brasil. Copete e Rodrigão marcaram para o Santos, Seijas descontou para o Inter, no dia 19/10 acontece o jogo da volta no Beira Rio. O resultado deixa a disputa em aberto; o Santos joga por um empate e o Internacional precisa de uma vitória simples para se classificar para a semifinal da Copa do Brasil.

O técnico Dorival Júnior falou da importância do resultado na Copa do Brasil. “É um jogo de mata-mata em que as melhores equipes da Copa do Brasil estão na briga. Saímos daqui com uma vitória. Se poderia ser com uma vantagem maior, pouco importa. Ganhamos de um grande time, fizemos um belo resultado. Podem ter certeza”.

O treinador santista ainda comentou sobre o baixo público presente nas arquibancadas da Vila Belmiro. “Poderíamos ter tido um público bem melhor. Um público que tomasse a Vila e fizesse uma pressão maior do que nós vimos”. Disse o comandante santista em entrevista coletiva.

Agora o Peixe volta suas atenções ao Campeonato Brasileiro, onde a equipe está na 4ª posição com 45 pontos conquistados. Neste fim de semana, o Santos recebe o Atlético Paranaense. Vale lembrar, que o Furação está a apenas três pontos do Santos e briga com Fluminense e Corinthians para entrar no G4 da competição. Para esta partida, o treinador Dorival Júnior tem uma boa dor de cabeça para montar a equipe. Com a lesão de Vitor Bueno, na derrota para o Sport no último final de semana, o técnico deu oportunidade para o argentino Vecchio jogar diante do Internacional pela Copa do Brasil. Mesmo improvisado, o atacante fez um bom jogo e recebeu elogios do treinador. Porém, para o jogo de sábado o meia Jean Mota volta a ser uma opção, já que na copa nacional o atleta não pôde atuar por já ter atuado pela equipe do Fortaleza. Os dois aparecem como favoritos à vaga de Vitor Bueno. A partida acontece sábado às 16h00 na Vila Belmiro.

Por Daniel Diomkinas para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

CORINTHIANS LARGA NA FRENTE NA COPA DO BRASIL

Não foi uma apresentação brilhante, na verdade foi longe disso, mas o Corinthians venceu o Cruzeiro na noite desta quarta feira, (28), em Itaquera por 2 x 1 e garantiu a vantagem do empate para a partida de volta diante dos mineiros no dia 19 de outubro, no Mineirão.

Para quem gosta de um futebol técnico, a partida foi de dar medo, para aqueles que gostam de superação, o time paulista se mostrou aguerrido na segunda etapa com uma jogadas e chegou a abrir 2 x 0 com Léo (contra) e Romero. Robinho marcou para os cruzeirenses após o time azul se lançar ao ataque e pressionar a defesa corinthiana que vacilou com  Balbuena.

Mas antes que me perguntem, e o primeiro tempo? Bem, Rodriguinho teve boas oportunidades mas acabou chutando para fora e o Cruzeiro quando colocava a bola no chão se mostrava mais firme e decidido do que o time da casa, mas foi apenas isso.

Em entrevista coletiva, o técnico Fabio Carille falou sobre a vantagem conquistada em casa. “Toda vantagem é importante. Indo para lá com possibilidade de dois resultados é uma possibilidade enorme para nós. Iria me preocupar muito mais se nosso time não estivesse criando. Estamos criando. Pedi muita calma para o Romero na hora de finalizar. A hora certa iria chegar. Até falei na entrevista de terça que a hora chegaria. Foi hoje. Muitas vezes pesa esse pressão. Atacante vive disso. Pressão incomoda sim”, afirmou o treinador.

Na partida de volta, o Timão joga pelo empate ou por uma derrota por um gol de diferença nos placares acima de 3 x 2.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

 

FUTEBOL MERCANTILIZADO

divulgacao_palmeiras

Foto: CESAR GRECO/AG. PALMEIRAS/DIVULGAÇÃO

No final dos anos 90, Jean Marc Bosnan jogador belga que atuava pelo RFC Liege, recusou uma redução salarial em 75% dos seus vencimentos, que foi proposta pelo clube. Então, Bosnan foi colocado à venda pela equipe mediante uma indenização que girava em torno de 4 milhões de euros. Mas Bosnan chegou a um acordo com um outro clube, que não aceitou o pagamento da indenização. O jogador entrou na justiça, conseguiu rescindir o contrato e acertou sua transferência.

O caso foi emblemático para o futebol mundial. O episódio determinou o final do passe na Europa, e posteriormente no resto do mundo. No Brasil, a atitude de Bosnan teve efeitos na Lei Pelé, que extinguiu o passe no Brasil. Entretanto, essa mudança aconteceu apenas na teoria, ou seja, na nomenclatura. Afinal de contas, hoje em dia os jogadores tem em seus respectivos contratos os direitos federativos (o que em aspectos práticos é o mesmo que o passe) e os direitos econômicos (as multas rescisórias em seus respectivos contratos, ou seja, o mesmo que o valor do passe). E os jogadores, que com o final do passe se tornaram livres do clubes, arrumaram outra forma nada inteligente por sinal, para manter-se filiados à outra instituição, denominada de procurador, agente ou empresário. Ou seja, o atleta ainda continua “preso”, mas desta feita, na maioria dos casos, o dono é uma pessoa física, e não a pessoa jurídica vista na figura do clube.

Graças à baixa formação intelectual dos atletas, principalmente os brasileiros, os jogadores se prendem aos empresários. ( leia entrevista publicada no jogo em pauta com Hergos Couto, ex jogador e professor universitário que dá mais detalhes sobre esse assunto: ( http://www.jogoempauta.com/2016/08/12/ex-jogador-hoje-doutor/). Mas nem sempre, os tais agentes fazem bem ao esporte, pois estão interessados tão somente em vantagens financeiras. Aliás, é um exemplo clássico de que os jogadores receberam a tão sonhada ” liberdade”, com o fim do passe, mas se saber o que fazer com ela, continuam vinculados aos contratos mediante direitos federativos e econômicos. Em suma: pouca coisa mudou.

O impasse envolvendo todas essas nuances no momento atual do futebol brasileiro atende pelo nome do atacante palmeirense Gabriel Jesus. Em negociação com o Manchester City, o Palmeiras e o agente do jogador discutem sobre quem ficará com 22,5¨% dos direitos da venda do atleta ao clube inglês. O jogador defendeu o seu agente, e criticou a postura do presidente Paulo Nobre na negociação, afirmando que o clube teve uma postura egoísta. Entretanto, em declarações posteriores, Gabriel disse que suas palavras foram utilizadas pela imprensa de forma equivocada. O Palmeiras luta por seus direitos de clube formador, e os empresários também querem valer o contrato que possuem com o jogador. Nesse balaio todo, está o pobre torcedor, que vê seu ídolo “bater asas”rumo ao futebol europeu.

O episódio deixa bem claro que o futebol dos dias de hoje não pode apenas ser visto como esporte. Há muitos interesses administrativos, contratuais e, principalmente financeiros, que estão diretamente relacionados com o mundo da bola. O esporte mais popular do mundo é cada vez mais encarado como negócio, e suas nuances ultrapassam a paixão do torcedor e as quatro linhas do gramado. É o mundo da bola deixando de ser esporte para transformasse num lucrativo negócio para todos. Os únicos que infelizmente não lucram são os torcedores. Lamentável!

Por Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

CORINTHIANS PERDE PARA FLUMINENSE EM DIA DE PIOR PÚBLICO DA ARENA

Para alguns revanche, para outros mais um jogo entre paulistas e cariocas. A partida deste domingo, (25), entre Corinthians x Fluminense teve ares bem diferentes dos costumeiros para o duelo.

Depois da partida da Copa do Brasil que culminou com a eliminação da equipe carioca da competição nacional, o duelo na Arena Corinthians ficou com cheiro de revanche e foi bem por esse caminho que o Fluminense conquistou a vitória no último lance da partida. Cobrança de falta da direita e depois do bate rebate dentro da área, a bola sobrou para Cícero colocar no fundo da rede, Flu 1 x 0, aos 49 minutos da segunda etapa.

Não podemos deixar de falar que da mesma forma que no duelo da Copa do Brasil, os  vistantes foram superiores, criaram boas oportunidades, mas acabaram esbarrando na falta de pontaria ou nas defesas do goleiro Walter.

Dentro das possibilidades, Marlone, Rodriguinho, Fagner em cobrança de falta e Romero em uma tentativa de bicicleta também fizeram o bom goleiro Julio César trabalhar, mas nada que pudesse realmente tirar o sono da pouca mais feliz torcida carioca em São Paulo.

Com o resultado o Fluminense chega a quinta colocação no Brasileiro com 43 pontos enquanto o Corinthians agora é o sétimo com 41.

O duelo também marcou um recorde negativo, o pior publico da história da Arena Corinthians. Ao todo 18.838 torcedores estiveram presentes para assistir a partida, lembrando que o setor norte do estádio estava interditado em virtude de uma punição do STJD após os confrontos entre a torcida organizada corinthiana e a polícia militar.

O time do Parque São Jorge volta a campo na próxima quarta feira, (28), diante do Cruzeiro, em partida válida pelas quartas de finais da Copa do Brasil.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan