Super Liga Feminina tem quartas definidas

Foto: Ricardo Bufolin / Pinheiros / superliga.cbv.com.br

Foto: Ricardo Bufolin / Pinheiros / superliga.cbv.com.br

Assim como a Superliga Masculina, a competição feminina chega em sua reta final, no mata-mata, com início na próxima sexta-feira.

O Rio de Janeiro, time de melhor campanha na primeira fase, abre as quartas visitando o São Caetano, na sexta-feira, às 21h30.

O sábado será o dia mais agitado, com dois jogos, um envolvendo apenas times mineiros e outro apenas com equipes paulistas. O início da tarde, mais precisamente com início às 13h, será a vez do Praia Clube enfrentar o Minas Tênis Clube e às 15h30 o Osasco mede forças com o Pinheiros.

Já domingo é dia de Sesi e Brasília encerrarem a primeira rodada com o duelo às 12h30.

Confira os jogos das quartas de final:

Primeira rodada

20/03 (sexta-feira) – São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP) x Rexona-Ades (RJ)
Local/Horário: Lauro Gomes, em São Caetano (SP) – 21h30

21/03 (sábado) – Dentil/Praia Clube (MG) x Camponesa/Minas (MG)
Local/Horário: Praia Clube, em Uberlândia (MG) – 13h

21/03 (sábado) – Molico/Nestlé (SP) x Pinheiros (SP)
Local/Horário: José Liberatti, em Osasco (SP) – 15h30

22/03 (domingo) – Sesi (SP) x Brasília Vôlei (DF)
Local/Horário: Vila Leopoldina, em São Paulo (SP) – 12h30

Segunda rodada

23.03 (segunda-feira) – Rexona-Ades (RJ) x São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP)
Local/Horário: Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ) – 18h

24.03 (terça-feira) – Camponesa/Minas (MG) x Dentil/Praia Clube (MG)
Local/Horário: Arena Minas, em Belo Horizonte (MG) – 18h

24.03 terça-feira) – Pinheiros (SP) x Molico/Nestlé (SP)
Local/Horário: Henrique Villaboim, em São Paulo (SP) – 20h30

25.03 (quarta-feira) – Brasília Vôlei (DF) x Sesi-SP
Local/Horário: Sesi Taguatinga, em Brasília (DF) – 21h30

Terceira rodada (se necessária)

27.03 (sexta-feira) – Rexona-Ades (RJ) x São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP)
Local/Horário: Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ) – 19h

27.03 (sexta-feira) – Dentil/Praia Clube (MG) x Camponesa/Minas (MG)
Local/Horário: Praia Clube, em Uberlândia (MG) – 21h30

28.03 (sábado) – Molico/Nestlé (SP) x Pinheiros (SP)
Local/Horário: José Liberatti, em Osasco (SP) – 16h

28.03 (sábado) – Sesi-SP x Brasília Vôlei (DF)
Local/Horário: Vila Leopoldina, em São Paulo (SP) – 16h

Nesta fase da competição as equipes jogam obrigatoriamente duas vezes e caso cada time vença um duelo a terceira, e decisiva, partida será necessária.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan

Anúncios

Montes Claros conquista última vaga nas quartas da Super Liga Masculina

Foto: Fredson Souza / MCV / globoesporte.com

Foto: Fredson Souza / MCV / globoesporte.com

A última rodada da primeira fase da Superliga Masculina 2014/2015 aconteceu, de forma completa, na noite deste sábado e a oitava, e última, vaga para as quartas de final ficou com o Montes Claros.

O time mineiro entrou na última rodada com a vantagem de vencer apenas dois sets para avançar na disputa, mas é claro que não queria arriscar e perder a vaga para UFJF ou Voleisul, que ainda estavam vivos na disputa.

Jogando diante de sua torcida, o Montes Claros fez a lição de casa e venceu o Campinas por 3 sets a 1, em parciais de 25/23, 22/25, 25/14 e 25/21.

Com isso, os confrontos das quartas de final da Superliga Masculina 2014/2015 estão definidos. Confira os duelos:

(1º) Cruzeiro* x Montes Claros (8º)

(2º) Taubaté* x Canoas (7º)

(3º) Sesi* x Maringá (6º)

(4º) Minas* x Campinas (5º)

* Jogam duas partidas em casa

A partir desta fase a Superliga será disputada no mata-mata, em três duelos, sendo os dois últimos na casa das equipes melhores classificadas.

O confronto que promete mais emoção é Minas x Campinas, duas equipes com campanhas semelhantes, elencos bons e que darão a vida para seguir na disputa pela taça.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan

Cruzeiro fica com o vice-campeonato Sul-americano de vôlei

 Foto: Ana Flávia Goulart / Divulgação Sada Cruzeiro

Foto: Ana Flávia Goulart / Divulgação Sada Cruzeiro

No último final de semana o Sada/Cruzeiro acabou derrotado pelo UPCN da Argentina por 3 sets 2 e ficou com o vice campeonato Sul-americano de vôlei masculino.

Com parciais de 25/21, 25/18, 17/25, 21/25 e 16/14, os brasileiros saíram perdendo por 2 sets 0, conseguiram buscar o empate e lutaram até os últimos pontos no tie-break mas os donos da casa foram mais fortes e conseguiram vencer os brasileiros e conquistar a vaga no Mundial da categoria que acontece no mês de maio na Suíça.

Mas não foi a única derrota brasileira em solo estrangeiro,  o Taubaté/Funvic foi derrotado pelo Lomas de Zamora da Argentina por 3  sets 1, parciais de 25/19, 22/25, 25/23 e 25/23 na disputa pelo terceiro lugar do Sul-americano.

Uma pena as derrotas brasileiras, mas nem sempre pode sem vencer todas no esporte. Tenho certeza que da próxima vez, tanto o Sada/Cruzeiro quanto o Taubaté/Funvic irão vencer.

Curta: https://www.facebook.com/TemplodosEsportes

por: Matheus Furlan

Rio de Janeiro vence Osasco e fica com o título Sul-americano

Foto: Marcio Rodrigues / MPIX / globoesporte.com

Foto: Marcio Rodrigues / MPIX / globoesporte.com

O Rexona/Adex-Rio de Janeiro se sagrou campeão do Sul-Americano de vôlei feminino ao bater o time da casa, o Molico/Nestlé-Osasco, na grande decisão por 3 sets a 1, de virada, em parciais de 15/25, 25/21, 25/22 e 25/14.

O começo do duelo foi bem inesperado, com o Osasco tendo uma grande vantagem sobre as rivais. O fator casa realmente estava fazendo efeito e as osasquenses derrubavam praticamente todas as bolas, além de cometerem pouquíssimos erros.

A derrota deixou Bernardinho furioso e a conversa dele resultou em uma grande mudança das cariocas em quadra. As duas parciais seguintes foram equilibradas, mas como o Rio sempre carregando a vantagem desde o início dos sets e segurando-a até o final.

Outra parcial que destoou bastante do grande clássico do voleibol brasileiro foi a quarta, em que o Ades atropelou o Osasco. Com bloqueio e defesa eficientes, as cariocas fecharam o jogo e puderam comemorar a vaga para o Mundial, que acontecerá de 5 a 10 de maio, em Zurique, na Suíça.

Na competição intercontinental o Rio entra como um dos favoritos, mas sabe que terá grande trabalho, principalmente com as europeias, que provavelmente serão representadas novamente por um time russo, e com as suíças, donas da casa, que devem ter o forte Volero Zurich como time-sede.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan

Osasco e Rio de Janeiro tentam título Sul-americano

Foto: João Pires / Fotojump

Foto: João Pires / Fotojump

As equipes brasileiras estão na disputa da competição, que acontecerá à partir desta quarta-feira, no ginásio José Liberatti, na cidade de Osasco, em São Paulo.

O Molico/Nestlé/Osasco é o favorito para levantar a quinto título na competição. As quatro conquistas aconteceram de forma consecutiva entre os anos de 2009 e 2012. O domínio das paulistas no continente teve uma pausa, mas a equipe está muito forte e pronta para poder representar o Brasil no Mundial da categoria, que acontecerá de 5 a 10 de maio em Zurique, na Suíça.

As paulistas não devem ter dificuldades para passar do grupo A, que conta com Club Atletico Bohemios (URU), San Martin de Porres (PER) e Boston College (CHI). Quem também deve passar com certa facilidade é o Rexona/Ades/Rio de janeiro, que está no grupo B e enfrentará San Francisco Xavier (BOL), Villa Dora (ARG) e Aragua, da Venezuela.

Confira a tabela de jogos da competição, divulgada pela assessoria de imprensa do Molico:

1ª Rodada – Quarta-feira (04/02) 
13h00 – San Martin de Porres (PER) x Boston College (CHI) – Grupo A
16h30 – Villa Dora (ARG) x San Francisco Xavier (BOL) – Grupo B
19h30 – Molico/Nestlé x Bohemios (URU) – Grupo A
21h30 – Rexona-Ades x Aragua (VEN) – Grupo B

2ª Rodada – Quinta-feira (05/02)
13h00 – Villa Dora (ARG) x Aragua (VEN) – Grupo B
16h30 – San Martin de Porres (PER) x Bohemios (URU) – Grupo A
19h30 – Molico/Nestlé x Boston College (CHI) – Grupo A
21h30 – Rexona-Ades x San Francisco Xavier (BOL) – Grupo B

3ª Rodada – Sexta-feira (06/02)
12h30 – Boston College (CHI) x Bohemios (URU) – Grupo A
15h30 – Aragua (VEN) x San Francisco Xavier (BOL) – Grupo B
18h30 – Molico/Nestlé x San Martin de Porres (PER) – Grupo A
21h00 – Rexona-Ades x Villa Dora (ARG) – Grupo B

Semifinais – Sábado (07/02)
14h00 – 1º do A x 2º do B – Jogo 14
16h30 – 1º do B x 2º do A – Jogo 15

Finais – Domingo (08/02)
10h30 – Disputa pelo 3º lugar entre os perdedores dos Jogos 14 e 15
13h30 – Final entre os ganhadores dos Jogos 14 e 15

O Brasil está muito bem representado por duas das grandes potências do nosso voleibol. As duas equipes brasileiras são as favoritas na competição, podendo, até mesmo, fazer a final entre si. Esperamos que alguma delas vença o torneio e represente bem o país na competição mundial.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan

Taubaté é campeão da Copa do Brasil

Foto: Alexandre Arruda / CBV / globoesporte.com

Foto: Alexandre Arruda / CBV / globoesporte.com

O Taubaté se sagrou campeão da Copa Brasil 2015 ao bater o Campinas por 3 sets a 0, em parciais de 25/17, 25/21 e 25/20, na casa do rival. O título faz a temporada do time do Vale do Paraíba ser ainda mais especial, afinal a equipe conquistou o título paulista, no final do ano passado, também de forma invicta.

Sobre a Copa Brasil, o Taubaté chegou à decisão após bater o atual campeão Cruzeiro na semifinal e na grande final enfrentou o Campinas e sua torcida, mas eles não foram páreos para os taubateanos, que aplicaram um 3 x 0 com certa facilidade. Isso porque a equipe do capitão Dante esteve concentrada desde o primeiro ponto.

O título da Copa premiou o Taubaté com uma taça e também com uma vaga para o Sul-Americano de vôlei da Argentina, que será disputado no mês de fevereiro. Vale lembrar que os atuais campeões da disputa continental são os cruzeirenses.

A pergunta que fica no ar é: será que o Taubaté alcançará a Tríplice Coroa, com o título da Superliga? O time do interior paulista está na segunda posição, com 36 pontos, atrás apenas do Cruzeiro, que soma 44. Vale deixar claro que a competição ainda terá a parte de mata-mata após o final do returno.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan

Pinheiros é campeão da Copa do Brasil

Foto: Reprodução / Facebook

Foto: Reprodução / Facebook

O Pinheiros se sagrou campeão da Copa do Brasil 2015 de vôlei feminino, neste sábado, ao vencer o Sesi por 3 sets a 2, em parciais de 25/20, 15/25, 21/25, 28/26 e 15/7. Mas espera. Falamos de Pinheiros e Sesi na decisão. Aonde estão Osasco e Rio de Janeiro? Acreditem ou não, as duas equipes foram eliminadas nas semifinais, portanto foi a primeira grande competição nacional decidida sem pelo menos uma das equipes desde 2001, quando Flamengo e Vasco da Gama disputaram a decisão da Superliga 2000/2001.

Sobre a grande decisão, o duelo foi equilibrado desde o início. No primeiro set as equipes estavam com ótimos ataques, até que na reta final o Pinheiros conseguiu abrir quatro pontos de vantagem, que foram ampliados para cinco para fechar a parcial em 25/20.

O time do Sesi não gostou do resultado, por isso atropelou as rivais na segunda parcial, que venceu por 25/15. O terceiro set voltou a ser equilibrado, mas novamente o Sesi conseguiu vencer, dessa vez nos detalhes, 25/21.

Falando em equilíbrio, a quarta parcial pode comprovar o nível parelho das equipes, tanto que o set foi fechado apenas depois dos 25 pontos, 28 x 26 para o Pinheiros, que seguiu vivo no duelo.

No tie-brake o time azul e branco continuou empolgado por conta da vitória na parcial anterior e começou melhor, o Sesi fez jogo duro e empatou, mas o Pinheiros alcançou uma sequência de pontos que foi fundamental para fechar o jogo com um 15/7 e conquistar um título inédito.

Agora uma dúvida fica no ar: será que a hegemonia da dupla Osasco e Rio de Janeiro chegará ao fim? Independente disso, o fato é que quem ganha com times cada vez melhores é o voleibol brasileiro, que tem uma liga mais forte a cada ano que passa.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan

Molico Osasco é campeão do Top Vôlei

Foto: João Pires / Fotojump / globoesporte.com

Foto: João Pires / Fotojump / globoesporte.com

O Molico/Osasco garantiu o bicampeonato do Top Volley, em Basiléia, na Suíça, ao vencer o Volero Zurich por 3 sets a 2, em parciais de 25/22, 19/25, 26/24, 18/25 e 15/11.

O começo do confronto mostrou qual seria a dinâmica da partida, o equilíbrio. Mesmo com o apoio da torcida todo para as suíças, as brasileiras conseguiram vencer a primeira parcial nos detalhes, 25/22.

Na sequência, o time de Luizomar de Moura começou a errar muito, principalmente no saque, fundamento o qual a equipe teve de aliviar um pouco para evitar os erros. Com um bom passe, o Volero Zurich começou a ser mais agressivo e venceu por 25/19.

A terceira parcial foi a mais equilibrada, mas acabou nivelada por baixo, porque as equipes erraram muito. Bom para o Osasco, que errou menos e venceu por 26/24. Vendo o placar desfavorável, o time suíço teve de jogar sua vida na competição e acabou vitorioso no quarto set sem dar chances às brasileiras, 25/18.

O tie-brake prometia ser uma batalha de gigantes e, falando de gigante, o Molico tem a central Thaisa, que conduziu a equipe a uma vitória por 15/11 e ao bicampeonato do torneio suíço.

A campanha das osasquenses na competição teve três vitórias e uma derrota, justamente para o Volero Zurich, na primeira partida da disputa, mas o troco foi bem dado, na decisão, com direito a troféu levantado.

Parabéns ao Osasco, que se esforçou muito neste final de ano, separando-se da família e dos amigos na época de Natal e Ano Novo.

Depois da folga nos próximos dias, o Molico voltará a focar na Superliga. A equipe voltará à competição nacional no dia 6 de janeiro contra o Maranhão, no ginásio José Liberatti, em Osasco. Vale destacar que as osasquenses são as terceiras colocadas na disputa com 29 pontos.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan

Rede de Vôlei volta a ser intocável

Foto: Divulgação / FIVB / globoesporte.com

Foto: Divulgação / FIVB / globoesporte.globo.com

Depois de alguns anos utilizando a regra de toque permitido na rede, com exceção da borda superior, a Federação Internacional de Voleibol voltou a utilizar a regra antiga. Os atletas não podem mais tocar na rede, independente do lugar, ou seja, se o jogador vem muito acelerado para a bola, ele terá de dar um jeito de se segurar, para não encostar um dedo sequer em qualquer canto da rede.

Os ponteiros terão de tomar um cuidado grande, por conta da jogada pipe (o jogador pula de trás da linha de três e pega a bola no meio da quadra, com muita velocidade e impulso). Além disso, o bloqueio terá de se concentrar bastante, por conta dos membros inferiores, que às vezes encostavam, mesmo sem intenção. E mais, o árbitro de baixo volta a ter maior importância, porque ele também terá de ficar atento em toques sutis.

Além disso, o 34° congresso da FIVB serviu de discussão para reeleições da Federação. O atual presidente é o brasileiro Ary Graça, que está há dois anos no poder. A antiga regra previa um tempo de oito anos de cargo, que agora foi ampliado para 12. A nova eleição acontecerá em 2016 e a tendência é que Graça seja o único candidato e faça mais 8 anos à frente da FIVB, comandando até 2024. Com isso, o protocolo de comando da função até 75 anos de idade será quebrado, porque na data final Ary Graça terá 79 anos.

É o vôlei fazendo e desfazendo mudanças para deixar o esporte cada vez melhor para os atletas e, principalmente, para os fãs.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan

Brasil é bronze, EUA são campeãs

Foto: FIVB / globoesporte.com

Foto: FIVB / globoesporte.com

Mais um Mundial de Vôlei aconteceu neste ano e mais uma vez o Brasil saiu do torneio sem levantar a taça de campeão. Favorita, a Seleção Brasileira fez uma final antecipada contra os Estados Unidos na semifinal e perdeu por 3 sets a 0, em uma atuação bem abaixo do esperado. Com isso a equipe de José Roberto Guimarães teve de levantar a cabeça e se concentrar para a disputa do 3º lugar contra as italianas, donas da casa.

A partida deste domingo começou bem fácil, com vitórias brasileiras nas duas primeiras parciais por 25/15 e 25/13, mas o apagão no time verde e amarelo voltou a acontecer e fez com que as europeias crescessem na partida, empatando-a após vencer duas vezes por 25/22. O confronto foi para o tie-brake e o Brasil mostrou porque é um dos melhores times do mundo ao bater as rivais embaladas com um 15/7.

O resultado não foi o desejado pelas brasileiras, mas a equipe conquistou mais um pódio, que merece ser valorizado. O foco agora fica por conta das Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016, em que as comandadas de José Roberto Guimarães tentarão o tricampeonato consecutivo.

Americanas campeãs

As norte-americanas se sagraram campeãs da disputa ao bateram a China por 3 sets a 1, em parciais de 27/25, 25/20, 16/25 e 26/24. A partida foi muito equilibrada, algo que não era imaginado por conta do desempenho dos times ao longo do torneio, mas era fato que as chinesas não são bobas e confirmaram isso após este ano, com dois vices, um no Grand Prix e outro no Mundial. O fato é que os Estados Unidos jogaram muito ao longo do torneio e mereceram levantar a taça.

por: Rodrigo Bitar

adaptação: Matheus Furlan