GRANDES DISPUTAS NA COPA PETROBRAS DE MARCAS

podio

Foto: Duda Bairros/Brasileiro de Marcas/Vicar

Não é apenas a Stock Car que está em Interlagos neste final de semana. Além da categoria, a Mercedes-Benz Challenge, o Campeonato Brasileiro de Turismo, a F3 e a Copa Petrobras de Marcas. E foi nessa última que tivemos disputas neste sábado em Interlagos.

A pole position ficou com Guilherme Salas que liderou quase a prova inteira, mas a vitória ficou com Gabriel Casagrande que partiu do quarto lugar e conseguiu uma bela ultrapassagem sobre Salas e subiu no ponto mais alto do pódio. “Foi uma corrida bem cansativa. Estava muito quente dentro do carro. Eu não podia poupar porque tínhamos que fazer o resultado e eu sabia que para o campeonato era uma corrida muito boa. Eu tinha todos os meus concorrentes ao título atrás de mim, só que quando apareceu a oportunidade de pegar essa vitória, fui em busca, o Guilherme acabou dando um espacinho, foi uma manobra arriscada, confesso: se ele não tira o pé, ficavam os dois pelo caminho. Foi muito legal, a disputa entre eu e ele, tanto com o William e o Felipe, os caras que eu tive que ultrapassar. E agora começar o final de semana desse jeito é a melhor coisa possível e espero que o final de semana continue nesse ritmo”, afirmou Casagrande após a disputa.

A segunda colocação ficou com Felipe Tozzo que partiu originalmente dessa colocação, mas após  um toque no começo da disputa, o catarinense teve que fazer uma corrida de recuperação e acabou subindo no pódio após, da mesma forma que Casagrande, ultrapassar Salas nos momentos finais da disputa. “A corrida foi bacana, bem divertida. Eu fiz uma boa classificação mas acabei caindo para quinta colocação na largada e depois vim buscando em um ritmo bom, apesar de ter sofrido um toque na primeira curva que quebrou o meu parachoque e isso acabou afetando um pouco o desempenho”. “Mas nosso carro era bom e eu consegui recuperar e voltar para o segundo lugar. Foi uma bela corrida, e estou super feliz com o desempenho; isso prova que com determinação, vontade e amor pelo que a gente faz o resultado acontece”, concluiu Tozzo.

O pódio foi completo por Guilherme Salas seguido de perto por Gustavo Martins, atual líder do campeonato.

Confira a classificação final da primeira corrida da Copa Petrobras de Marcas em São Paulo:

1-) 83 Gabriel Casagrande (C2 Team/Renault Fluence) – 14 voltas em 26min57s617 (média de 134,4 km/h)
2-) 57 Felipe Tozzo (Friato Racing Team/Ford Focus) – a 7s489
3-) 21 Guilherme Salas (Greco/Renault Fluence) – a 8s631
4-) 0 Gustavo Martins (JLM Racing/Honda Civic) – a 10s986
5-) 33 R.Choate/L.Razia (RZ Motorsport/Toyota Corolla) – a 11s502
6-) 11 Nonô Figueiredo (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) – a 13s380
7-) 1 Thiago Marques (RZ Motorsport/Toyota Corolla) – a 13s489
8- ) 43 Vicente Orige (JLM Sport/Honda Civic) – a 18s708
9-) 28 Carlos Souza (JLM Sport/Honda Civic) – a 20s286
10-) 74 Odair dos Santos (Paraguay Racing/Toyota Corolla) – a 20s407
11-) 88 Thiago Klein (Paraguay Racing/Toyota Corolla) – a 22s698
12-) 555 Ayman Darwich (R.Sports/Chevrolet Cruze) – a 27s972
13-) 12 Marcio Basso (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) – a 31s078
14-) 31 Willian Starostik (C2 Team/Renault Fluence) – a 3 Voltas
15-) 17 Daniel Kaefer (JLM Racing/Honda Civic) – a 4 Voltas
16-) 55 R.Gargiolo/Renan Guerra (R.Sports/Chevrolet Cruze) – a 9 Voltas
17-) 22 Fabio Carbone (Greco/Renault Fluence) – a 12 Voltas
18-) 66 Enrico Bucci (Friato Racing Team/Ford Focus) – não completou

A segunda corrida do final de semana acontece na tarde deste domingo, (11), com largada prevista para às 14:25 da tarde, horário de Brasília.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

CAMILO LIDERA PRIMEIRO TREINO LIVRE EM SÃO PAULO

thiago-camilo

Foto: Reprodução/Facebook Stock Car – oficial

Finalmente os carros foram para a pista nesta sexta feira, (9), e o mais rápido Thiago Camilo #21 da Ipiranga-RCM com o tempo de 1m38s698. Não é atoa que Camilo já começou na frente, o piloto já venceu em três oportunidades a Corrida do Milhão, 2011, 2012 e 2015.

Na segunda colocação, com apenas 0s170 de desvantagem ficou Ricardo Mauricio #90 e em terceiro lugar o líder do campeonato Felipe Fraga #88 com o tempo de 1m38s919. Confira a classificação do primeiro treino da Corrida do Milhão:

1-) 21 Thiago Camilo (Ipiranga-RCM) – 1:38s698
2-) 90 Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) – 1min38s868
3-) 88 Felipe Fraga (Cimed Racing) – 1min38s919
4-) 77 Valdeno Brito (TMG Racing) – 1min39s122
5-) 10 Ricardo Zonta (Shell Racing) – 1min39s194
6-) 18 Allam Khodair (Full Time Sports) – 1min39s234
7-) 29 Daniel Serra Red (Bull Racing) – 1min39s376
8- ) 4 Julio Campos C2 (Axalta Racing) – 1min39s412
9-) 73 Sergio Jimenez (Cavaleiro Sports) – 1min39s492
10-) 65 Max Wilson (Eurofarma RC) – 1min39s501
11-) 83 Gabriel Casagrande (C2 Axalta Racing) – 1min39s540
12-) 80 Marcos Gomes (Cimed Racing) – 1min39s570
13-) 70 Diego Nunes (União Química Racing) – 1min39s595
14-) 46 Vitor Genz (Eisenbahn Racing Team) – 1min39s712
15-) 11 Cesar Ramos (RZ Motorsport) – 1min39s935
16-) 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) – 1min39s964
17-) 12 Lucas Foresti (Full Time-ProGP 1min39) – 1min40s037
19-) 26 Raphael Abbate (Hot Car Competições) – 1min40s060
20-) 5 Denis Navarro (Vogel Motorsport) – 1min40s061
21-) 56 Danilo Dirani (RZ Motorsport) – 1min40s097
22-) 51 Átila Abreu (Shell Racing) – 1min40s171
23-) 74 Popó Bueno (Cavaleiro Sports) – 1min40s173
24-) 8 Rafael Suzuki (Vogel Motorsport) – 1min40s272
25-) 110 Felipe Lapenna (Hot Car Competições – 1min40s313
26-) 9 Guga Lima (TMG Racing) – 1min40s403
27-) 28 Galid Osman (Ipiranga-RCM) – 1min40s410
28-) 0 Cacá Bueno (Red Bull Racing) – 1min40s440
29-) 63 Nestor Girolami (Eisenbahn Racing Team) – 1min40s779

Os carros volta para a pista às 8:30 da manhã desta sábado, (10), com a segunda sessão de treinos livres.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

CORRIDA DO MILHÃO AGITA STOCK CAR EM RETORNO DAS FÉRIAS

stock

Foto: Duda Bairros/Stock Car/Vicar

Depois das merecidas férias, a Stock Car está de volta as pistas no próximo final de semana com a  Corrida do Milhão, que será realizada em Interlagos, São Paulo.

A semana que começou agitada com o anuncio da saída da Red Bull, promete ainda mais com os pilotos correndo atrás de uma bolada. Ao todo foram sete edições realizadas da etapa milionária com cinco vencedores diferentes. Thiago Camilo com três triunfos, 2011, 2012 e 2015, Valdeno Brito em 2008, Ricardo Mauricio em 2010, Ricardo Zonta em 2013 e Rubens Barrichello em 2014, subiram no pódio, mas um dado curioso é que de todos esse vencedores, o único que conquistou o título e venceu a corrida do milhão no mesmo ano foi Barrichello.

A disputa em São Paulo terá  45 minutos de duração, com largada prevista para às 10 horas da manhã, horário de Brasília, do próximo domingo, (11), e para essa etapa, a pontuação será dobrada, com o piloto vencedor levando 60 pontos para a tabela do campeonato, o que pode fazer a disputa pelo título ficar mais embaralhada do que já está.

Atualmente, Felipe Fraga é o líder da tabela de classificação com 133 pontos, 21  a mais que o segundo colocado, seu companheiro de equipe e atual campeão, Marcos Gomes. Em terceiro aparece Max Wilson com 110 pontos conquistados.

Para se ter uma ideia da importância da vitória neste final de semana, Fraga tem exatos 60 pontos de vantagem sobre Allam Khodair que é o 13° na classificação geral com 73, ou seja, a segunda metade do campeonato promete muito mais disputas.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

SÃO PAULO CAOS CLUBE!

sp

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Um enorme transatlântico sem rumo! Um amontoado de jogadores mais ou menos, de qualidade futebolística duvidosa, também comandados por um treinador mais ou menos. Além disso, um presidente mais ou menos, acompanhado por diretoria mais ou menos, com membros absolutamente omissos A única coisa que está mais para menos do que para mais é o futebol apresentado, ou então, a falta dele dentro das quatro linhas. E a situação vem se repetindo ao longo dos anos. Mais precisamente desde 2008, quando o time conquistou o tricampeonato brasileiro de forma seguida.

Ainda na década passada, em 2005 a conquista dos títulos da Libertadores e do Mundial de clubes. E a diretoria, outrora vencedora em todos os aspectos, resolveu perpetuar-se no poder. Mudaram, à base da canetada, o estatuto do clube para continuar dando as cartas no São Paulo. No sábado passado, aliado à falta de futebol apresentado, um protesto em frente ao centro de treinamento do clube foi realizado. A torcida uniformizada invadindo dependências técnicas do time, ao invés de protestar no lugar adequado para tal: a arquibancada. Jogadores cobrados publicamente, alguns inclusive, chegaram a “dialogar” com aqueles que se denominam como torcida.

A grande verdade é que o São Paulo apequenou-se nos últimos anos. Viu seus grandes adversários da capital paulista, construírem arenas mais modernas e imponentes que o então “maior estádio particular do mundo”. O São Paulo, de clube mais moderno da América do Sul, parou no tempo e no espaço. O reflexo da incompetência administrativa se dá dentro de campo. Dois treinadores abandonando a equipe com o contrato em andamento, investimento em jogadores que não trouxeram o retorno desejado. A eliminação da Taça Libertadores da América.
Décimo primeiro colocado no Campeonato Brasileiro. Vinte e oito pontos ganhos, e apenas quatro pontos à frente da zona de rebaixamento. Poucos torcedores nas arquibancadas! O que uma mudança no estatuto de um clube não faz.

A perpetuação do poder, pleno reflexo do caos, um navio sem rumo e um time sem futebol. E não há tempo para lamentações, afinal na próxima rodada do Brasileirão, o São Paulo pega o Palmeiras. Será que existe algum equilíbrio nessa partida? O futebol é surpreendente, mas o torcedor são-paulino tem tudo para temer o clássico. Serão dias sombrios e complicados para o preocupado torcedor tricolor. Um time sem rumo: esse é o atual momento do São Paulo, um clube em pleno caos.

Por Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

Em corrida emocionante, Paulo Salustiano vence na Truck

salustianoA largada da Fórmula Truck foi quente, como o tempo em Interlagos, São Paulo. Para começar, Cirino e David Muffato acabaram por se tocar na entrada do “S” do Senna e a dupla que largou na primeira fila ficou para trás e quem assumiu a ponta foi Paulo Salustiano.

Logo em seguida, Joel Mendes Jr de Ford acabou parando seu pesado em local perigo fazendo assim com que houvesse a entrada do pace-truck.

Na relargada, os Mercedes de Salustiano e Cirino assumiram a ponta enquanto isso Pachenki e Totti se tocando, mais a frente  Kastropil e Benavides também se enroscaram, novamente pace-truck na pista. Totti parou seu caminhão na reta oposta e com pneu furado foi para os pits.

Após mais uma relargada, Salustiano se mandou. Cirino passou a andar lento e acabou engolido pelo pelotão. Giaffone assumiu a segunda posição e trouxe junto consigo André Marques e Roberval Andrade. Débora Rodrigues fechava o top-5.

Faltando cerca de 40 minutos para o término da disputa, os cinco primeiros seguiam andando colados, sempre com Giaffone levando vantagem no miolo e Salustiano ganhando distância na reta paulista.

Quem passou a fazer uma bela corrida de recuperação foi David Muffato, que após o seu toque no começo da corrida, retornou em 18° lugar, já ocupava o sétimo posto ao deixar Alex Fabiano para trás.

E após muitas quebras e diversas voltas com o caminhão de segurança na pista, a bandeira amarela e verde quadriculada foi acionado e Paulo Salustiano passou em primerio, Giaffone em segundo, Marques em terceiro, Andrade em quarto e Débora Rodrigues fechando os cinco primeiros.

Caminhões refrescados, largada para a segunda parte da disputa e logo  de cara, André Marques já deixou Felipe Giaffone para trás e assumiu o segundo posto, que não durou muito, na curva do Pinheirinho, Giaffone colocou por dentro e voltou a ficar a frente do companheiro de equipe.

Na parte intermediária do pelotão,  Joel Mendes, que deu uma escapada de pista voltou na frente de Alex Fabiano que acabou por bater no Ford, David Muffato que vinha logo atrás acabou por acertar Fabiano.

Faltando cerca de 17 minutos para o término da corrida, Marques passou a pressionar Salustiano pela liderança, Giaffone seguia a dupla de perto.

As voltas foram se passando, o quarto de ponteiros seguia firme, mas Débora Rodrigues acabou rodando na saída do “S”e perdeu diversas posições, já na subida do “Café”, foi a vez de Boéssio abandonou a disputa.

Faltando três voltas para o término da disputa, Salustiano, Marques, Giaffone, e Andrade seguiam forte, até que Giaffone colocou por dentro e conseguiu a ultrapassagem no final da reta oposta, assumindo assim a segunda colocação.

Na última volta, Salustiano e Giaffone passaram a dividir curvas, mas Giaffone acabou por queimar o radar na reta na abertura da última volta, 164 km/h,  e mesmo cruzando a linha de chegada e primeiro sofreu o acréscimo de 20 segundos no tempo final da disputa caindo assim para a quinta colocação. Desta forma Paulo Salustiano ficou com a vitória em São Paulo, com André Marques em segundo, Roberval Andrade em terceiro, Wellington Cirino em quarto e Felipe Giaffone em quinto.

Confira a classificação final da sexta etapa da temporada da Fórmula Truck, em São Paulo:

 1º) 55 – Paulo Salustiano (Mercedes, ), 13 voltas em 28:01.498 (média de 150.8 kmh)
 2º) 77 – André Marques (Volkswagen , ), a 0.907
 3º) 15 – Roberval Andrade (Iveco , ), a 3.384
 4º) 60 – Wellington Cirino (Mercedes , ), a 17.895
 5º)   4 – Felipe Giaffone (Volkswagen , ), a 19.097
6º) 35 – David Muffato (MAN , ), a 28.012
7º) 21 – Raijan Mascarello (Mercedes , ), a 33.216
8º) 99 – Luiz Lopes (Iveco , ), a 36.820
9º) 80 – Diogo Pachenki (Mercedes , ), a 1:12.801
10º) 53 – Ronaldo Kastropil (Volvo , ), a 1:16.875
11º) 20 – Pedro Muffato (Scania , ), a 1:21.665
12º) 30 – Rogerio Castro (Mercedes , ), a 2:02.269
13º) 333 – Alex Fabiano (Volvo , ), a 1 volta
14º) 44 – Joel Mendes Jr (Ford , ), a 2 voltas
15º)   8 – Adalberto Jardim (Volkswagen , ), a 5 voltas
16º)   7 – Débora Rodrigues (Volkswagen , ), a 6 voltas
17º) 83 – Regis Boessio (Volvo , ), a 7 voltas

Campeonato

Apesar do resultado  em São Paulo, Giaffone segue na liderança da tabela de classificação com 226 pontos, Paulo Salustiano assumiu a segunda colocação do campeonato com 214 pontos, Diogo Pachenki é o terceiro com 198 pontos, André Marques é o quarto com  170 pontos e em quinto lugar David Muffato com 156 pontos.

A sétima etapa da categoria acontece no dia 4 de setembro, em Tarumã.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

São Paulo sub-20 disputa Copa Paulista e espera revelar talentos ao time profissional

pedrosp sub 20

Foto: Arthur Dafs / Jogo em Pauta

Com o início do Campeonato Brasileiro, os times do estado de São Paulo, que não têm compromissos com as séries A, B e C das disputas nacionais, estão envolvidos numa tradicional competição do futebol estadual. É a Copa Paulista, que é disputada entre os meses de Julho a Novembro, e garante à equipe campeã, uma vaga na Copa do Brasil 2017. A equipe sub-20 do São Paulo Futebol Clube disputa essa competição, e dois importantes personagens do time conversaram com o Jogo em Pauta. O técnico André Jardine, que dirige o time desde a Copa São Paulo de Juniores, disputada no início da temporada, e o destaque do time sub 20 do Tricolor Paulista, o atacante Pedro, que atualmente é o artilheiro do Campeonato Brasileiro da categoria.

Jardine falou com otimismo em relação ao elenco das equipes de base do São Paulo. “Nossa equipe vem jogando o Campeonato Brasileiro sub 20 e também a Copa Paulista. Essas competições servem como oportunidade aos atletas, e existem alguns deles que já se destacam. São os casos de Inácio, David Neres e Lucas Fernandes, que inclusive já atuaram no time de cima’’; explicou André Jardine, técnico do São Paulo. O treinador ressaltou que a Copa Paulista, que tem jogadores profissionais como adversários, serve para que seus atletas adquiram experiência e maturidade. “Os meninos estão evoluindo a cada jogo, e isso reflete no nosso trabalho, que está sendo muito bem feito”; declarou Jardine

Segundo o treinador, o jogador que mais se destaca no time sub-20 do São Paulo é o jovem atacante Pedro.  Ele é o artilheiro da equipe nas competições que o São Paulo enfrenta na temporada. O atacante tem 19 anos, atua como centroavante, cuja principal característica é a movimentação constante, já que ele costuma sair da área para buscar e participar do jogo. “Com isso, aumento minha participação durante a partida e posso fazer mais gols”; explicou Pedro. Ele disse que molda seu estilo de jogar inspirado no atacante argentino Jonathan Calleri, que defendeu o São Paulo no primeiro semestre deste ano.

Pedro ainda espera ter oportunidade para jogar no time profissional, e assim dar alegrias ao torcedor são-paulino. “Sempre participamos de jogos treinos com os jogadores do time profissional e a expectativa é que possamos conquistar o título da copa paulista sub 20. Com isso, chamaremos a atenção da comissão técnica do time de cima”; explicou o jovem atacante do São Paulo.

Por Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

Pelo Brasileirão, São Paulo vai a Campinas e perde para a Ponte Preta

Edgardo Bauza, técnico do São Paulo, optou por escalar um time reserva no jogo contra a Ponte Preta, neste domingo (03) no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro. O Tricolor Paulista sofreu a maior parte do jogo, por conta da expulsão de Matheus Reis, que levou o cartão vermelho aos sete minutos do primeiro tempo. Clayson, aos 12 minutos do segundo tempo, foi o autor do gol da Ponte, que deu números finais ao jogo.

 

Durante o jogo, o técnico do São Paulo ficou revoltado após o árbitro Vinicius Furlan, voltar atrás no lance de falta, em jogada envolvendo o lateral Matheus Reis em Matheus Jesus, da Ponte Preta. Inicialmente, o árbitro advertiu o lateral são-paulino como cartão amarelo, mas ao se aproximar do jogador da Ponte Preta, voltou atrás e expulsou o são-paulino. A decisão revoltou o técnico Edgardo Bauza que também acabou expulso.

O resultado deixou a Ponte com 20 pontos ganhos na oitava posição do Campeonato Brasileiro. Já o São Paulo estacionou na décima posição, com 18 pontos. Agora, o São Paulo muda a chave, para pegar o Atlético Nacional de Medellin, em jogo válido pela Copa Libertadores, na próxima quarta-feira, no estádio do Morumbi. No Campeonato Brasileiro, o Tricolor pegará o América Mineiro, também em seu estádio. Já a Ponte Preta jogará novamente em casa, no próximo sábado receberá o Sport, pelo Brasileirão.

FICHA TÉCNICA:
PONTE PRETA 1 X 0 SÃO PAULO

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Data: 3 de julho de 2016, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Vinícius Furlan (SP)
Assistentes: Bruno Salgado Rizo e Fabrício Porfírio de Moura (ambos de SP)
Cartões amarelos: Matheus Jesus, Fábio Ferreira e Renê Júnior (Ponte Preta); Wesley e Ytalo (São Paulo)
Cartão vermelho: Matheus Reis (São Paulo)

GOL:
PONTE PRETA: Clayson, aos 12 minutos do segundo tempo

PONTE PRETA: João Carlos; Jeferson, Fábio Ferreira, Douglas Grolli e Reinaldo; João Vitor, Renê Júnior (Thiago Galhardo) e Matheus Jesus (Ravanelli); Wellington Paulista, Clayson e William Pottker (Roger)
Técnico: Eduardo Baptista

SÃO PAULO: Denis; Caramelo (Calleri), Lugano, Lyanco e Matheus Reis; Artur, Wesley e Cueva; Centurión (Ytalo), Luiz Araújo (Carlinhos) e Alan Kardec
Técnico: Edgardo Bauza

Por Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

É preciso convencer

Foto: saopaulofc.net

Foto: saopaulofc.net

Desde o final da temporada 2008, o São Paulo Futebol Clube não tem mostrado regularidade no futebol jogado entre as quatro linhas do campo de jogo, pelo menos na opinião deste que vos escreve.  Muitos dizem que nem aquele time, tricampeão brasileiro seguido, entre os anos de 2006 e 2009; e que também conquistou a Libertadores e o Mundial de clubes em 2005, não atingiu mais o prumo, em relação às conquistas, e principalmente, no que se refere à qualidade do jogo em si.

De lá para cá, apenas um título foi conquistado, e ainda com ressalvas. Afinal de contas, na partida final da Copa Sul-Americana de 2012, o time argentino do Tigres, não retornou para o segundo tempo da partida, e o Tricolor, que se despedia do atacante Lucas – que batia asas rumo ao Paris Saint Germain, sagrou-se campeão daquele torneio sul-americano pela primeira vez em sua história.

História gloriosa é verdade, que tem seis títulos brasileiros, três conquistas sul-americanas, e em consequência delas, mais três mundiais interclubes.  E a história também marca a ausência de conquista de títulos em jogos eliminatórios, pelos menos no que se refere aos últimos anos.  As mais recentes conquistas nessa modalidade de disputa, aconteceram há mais de uma década; afinal de contas, o São Paulo conquistou o Torneio Rio São Paulo em 2001, e o Supercampeonato Paulista do ano seguinte.  Excetuando os três títulos brasileiros, conquistados em sistema de turno e returno, com pontos corridos, há mais de dez anos a torcida tricolor não vê um título conquistado em campeonatos com jogos eliminatórios.

Há quem diga que o problema seja psicológico.  O time também não apresenta bom desempenho na disputa dos clássicos, principalmente se o retrospecto das últimas três temporadas estiver em análise. Aliás, o técnico Dunga, da Seleção “brasileira”, poderia ter ficado de boca bem fechada ao opinar sobre a presença de psicólogos nos times de futebol. Além disso, algo que era raro de se ver no “mundo tricolor” há décadas atrás, era a costumeira e atual desorganização político-administrativa que o clube do Morumbi demonstra atualmente.

O São Paulo classificou-se às oitavas de final da Libertadores depois de jogar uma primeira fase sem consistência tática e técnica. Já estamos em maio, e o time ainda não mostrou uma “cara”, tampouco sistema tático e técnico definido.  Muita vontade e raça não têm faltado, entretanto a exigente torcida não se contentará apenas com o excesso de brio dos jogadores.  Afinal de contas, para conquistar títulos e o coração dos torcedores, é preciso convencer além de vencer. A goleada diante do Toluca, time mexicano que pouco assustou a defesa são-paulina, é enganosa. Afinal de contas, há muito trabalho pela frente para que o time tricolor apresente um futebol convincente.

Por Ivan Marconato via site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

Menina dos olhos!

Foto: viing.blogspot.com

Foto: viing.blogspot.com

A semana foi trágica para os três clubes paulistas, que estão também envolvidos na principal competição do futebol na América do Sul, a Taça Libertadores da América. O campeonato sul-americano de clubes é a “menina dos olhos” de dez entre dez clubes localizados abaixo da linha do equador. A competição continental ficou relegada ao segundo plano por décadas, principalmente depois que o Santos de Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe, conquistou o continente sul-americano e também o mundo.

Mas isso foi há 50 anos. Depois de esporádicas conquistas de clubes brasileiros na década de 90 (São Paulo, Grêmio, Cruzeiro e Vasco); a Libertadores voltou a acender o brilho nos olhos dos clubes brasileiros e de seus dirigentes. É justo! Afinal de contas, a competição sul-americana reverte ao clube retorno de patrocínio, principalmente por conta da visibilidade que as partidas proporcionam devido sua exibição ao vivo pela televisão.

Para termos uma noção de quanto a Libertadores é valiosa, a emissora detentora dos direitos até o ano de 2018 pagou o montante de US$ 450 milhões, e o acordo vale para a transmissão de três competições sul-americanas, a Libertadores, a Copa Sul-Americana e a Recopa, ou seja US$ 150 milhões por ano. Logo, os clubes que não jogam a Libertadores perdem oportunidade de ganhar, e muito, dinheiro.

Em compensação, há uma “colher de chá” afinal de contas, o Campeonato Brasileiro acaba sendo uma competição infinitamente mais vantajosa aos clubes, se levarmos em consideração os aspectos financeiros. O certame nacional custou à R$ 1, 3 bilhão à emissora detentora dos direitos, sendo que cada uma de suas 380 partidas vale R$3,4 milhão.  Na Libertadores, o campeão lucra R$ 30 milhões, ou seja R$ 2,5 milhões por jogo.

Na ponta do lápis, o lucro em disputar a Libertadores é proporcionalmente maior, afinal de contas, tanto o tempo de disputa, quanto o número de jogos é inferior aos disputados pelo Brasileirão. Entretanto, não somente por conta da grana, mas principalmente por causa do prestígio desportivo, não disputar a Libertadores também acaba sendo um péssimo negócio aos times de futebol.

E depois dos jogos desse meio de semana, os times paulistas devem “colocar as barbas de molho” se não quiserem sair no prejuízo. Corinthians e Palmeiras perderam suas partidas desta semana; e o outro paulista, o São Paulo, empatou ontem conquistando seu primeiro ponto em seis possíveis na competição. Então, os clubes paulistas que se cuidem, pois podem ficar cada vez mais distante desse “pote de ouro” que é a competição sul-americana. Será que o “Trio de Ferro” se transformará em “Trio de Lata” e ficará sem essa importante fonte de renda?  Aguardemos!

Por Ivan Marconato para o site Jogo em Pauta (www.jogoempauta.com)

Defesa Tricolor falha, Timão vence mais uma e segue invicto no Paulistão

Clássico é clássico e isso não se discute, ainda mais quando falamos do Majestoso, o duelo entre Corinthians x São Paulo. Em partida válida pela quarta rodada do Campeonato Paulista de Futebol de 2016 as equipes da capital se encontraram pensando mais na Libertadores da América que tem rodada neste meio de semana que no estadual.

 

Em campo o que se viu foi um Corinthians modificado e um São Paulo mais titular que o esperado, não que o time do Parque São Jorge foi com a equipe reserva, longe disso, mas sim com mais alterações na equipe do que o Tricolor do Morumbi que começou bem a partida da mesma forma que os donos da casa, que obtiveram as primeiras oportunidades mas o gol mesmo saiu aos 23 minutos da primeira etapa quando Lucão se complicou  na defesa são paulina, o jovem zagueiro primeiro chutou sobre o corpo do lateral Mena, na tentativa de concertar o erro o defensor recuou para o goleiro Denis que havia se aproximado do mesmo e o que era para ser uma bola afastada da área se tornou em um  passe que saiu para o meio da área, Lucca que estava fazendo 26 anos de idade, chegou em velocidade e completou para o gol, Corinthians 1 x 0.

O São Paulo ainda criou algumas oportunidades na segunda etapa com Michel Bastos e Mena que obrigaram Cássio a fazer boas defesas para  o Corinthians com uma defesa sólida se segurou, os minutos foram passando, as chances Tricolores passaram a diminuir. Aos 40 minutos da segunda etapa o golpe fatal, escanteio da direita, PH Ganso desviou, a bola quicou perto na marca do pênalti e o jovem Yago que se adiantou a defesa cabeçou, como se fosse em câmera lenta, a bola ganhou altura, Denis se esticou todo, mas a bola morreu no fundo das redes do Tricolor. Corinthians 2 x 0.

Romero e Rogerio ainda tentaram de longe nos instantes finais, mas nada que alterasse o resultado final da partida de 2 x o para o Corinthians que segue com 100% de aproveitamento neste campeonato paulista, quatro jogos, quatro vitórias, 12 pontos conquistados e liderança isolada do grupo D, já o São Paulo é o terceiro colocado no grupo C com quatro pontos conquistados, cinco a menos que Ferroviária e Audax que somam nove pontos cada.

Ambas as equipes voltam a campo neste meio de semana para  Libertadores da América. O Corinthians viaja para o Chile onde enfrenta a equipe do Cobresal, na próxima quarta feira, 17, às 21:45 da noite, já o São Paulo enfrenta o The Strongest da Bolívia também na quarta feira, mas às 19:30 da noite, horário de Brasília.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 2 X 0 SÃO PAULO

Local: Arena Corinthians em São Paulo (SP)
Data: 14 de fevereiro de 2016
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Assistentes: Rogério Pablos Zanardo e Alex Ang Ribeiro (ambos de SP)
Público: 36.378 pagantes (total de 36.788)
Renda: R$ 2.050.496,50
Cartões amarelos: Guilherme Arana e Willians (Corinthians); Mena e Hudson (São Paulo)
GOLS:Corinthians: Lucca, aos 23 minutos do primeiro tempo, e Yago, aos 40 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Felipe, Yago e Guilherme Arana; Bruno Henrique, Maycon (Willians), Giovanni Augusto (Romero), Rodriguinho e Lucca; André (Danilo); Técnico: Tite

SÃO PAULO: Denis; Bruno (Caramelo), Rodrigo Caio, Lucão e Mena; Hudson, Thiago Mendes (Kelvin), Centurión (Rogério), Paulo Henrique Ganso e Michel Bastos; Calleri; Técnico: Edgardo Bauza

Siga nossa página no Twitter: @esportetemplo

Por: Matheus Furlan