FELIPE FRAGA VENCE A CORRIDA DO MILHÃO

fraga-mil

Foto: Fernanda Freixosa/Vicar/ Reprodução Facebook Stock Car – oficial

Uma disputa especial, foi assim que Felipe Fraga definiu a corrida do milhão e o começo não poderia ser diferente. Barrichello foi bem  e manteve a ponta, logo atrás dele um toque envolvendo Ricardo Mauricio e Marcos Gomes fez com que o estava tranquilo ganhasse ar de dramaticidade para alguns pilotos.

No meio de pelotão, Cacá Bueno, Thiago Camilo e Allam Khodair travavam uma batalha de alto nível pelo sétimo lugar, enquanto Felipe Fraga seguia Rubens Barrichello de perto.

A disputa pela ponta estava em um nível a parte. Barrichello tinha apenas 0.377 de vantagem sobre Fraga após cinco voltas. Mas na sexta volta, Fraga colocou a faca nos deste e foi para cima do veterano no final da reta oposta. Depois de fazerem a curva do lago lado a lado, Fraga assumiu a ponta da disputa.

Com a disputa acirrada entre os ponteiros que chegou perto foi Julio Campos. Curvas mais atrás, Cacá Bueno e Max Wilson brigavam pelo sexto lugar.

Após oito voltas, Fraga em primeiro, Barrichello em segundo, Campos em terceiro, Zonta em quarto e Valdeno Brito em quinto, mas com Zonta colado em Campos na luta pela terceira colocação, uma diferença de 0.293.

Depois de todo o frisson da largada, as posições foram estabelecidas e ai a estratégia começou a entrar em cena. O calor na capital paulista apertou. César Ramos #11 passou a perder terreno e acabou ultrapassado por Genz, Lapenna e Abbate na parte intermediária do pelotão. Cacá Bueno e Thiago Camilo quase se tocaram, mas o segundo levou vantagem e assumiu a sétima colocação. Khodair também se aproveitou e deixou Bueno para trás, assumindo assim a oitava posição.

Depois de um respiro, Barrichello voltou a carga para cima de Fraga e a diferença que chegou a ser mais de dois segundos caiu para 0.922 na 15° volta e faltando 18 minutos para o término da corrida.

Na 18° volta, Zonta acabou ultrapassado por Valdeno que chegou a tocar com o carro #10, de olho em tudo isso, Wilson que vinha logo atrás passou a entrar na dança mas também trouxe Thiago Camilo, no final Valdeno Brito assumiu o quarto lugar de Zonta e passoua  ir em busca de Campos. Camilo se aproveitou da situação de deixou Wilson para trás, assumindo assim o sexto lugar.

Faltando 11 minutos para o término da disputa, Fraga assistia a Barrichello se aproximar cada vez mais e a diferença entre os dois ponteiros era de 0.710, mas já levavam mais de cinco segundos de vantagem para Campos, que vinha na terceira colocação.

Na 22° volta um toque entre Zonta e Camilo que lutavam pela quinta colocação fez com que os pilotos perdessem contato com os ponteiros. Livre da pressão dos adversário, Brito se aproveito e passou por Campos assumindo o terceiro lugar faltando menos de seis minutos para o término da corrida.

Na subida do café, que levou os pilotos para a abertura da 25° volta,  Campos até que tentou, mas acabou sendo ultrapassado por Wilson e Khodair, caindo assim para a sexta posição. Fraga seguia a frente de Barrichello com uma vantagem de pouco mais de um segundo.

fraga-mil-1

Foto: Reprodução / Facebook Stock Car – oficial

Depois de 45 minutos de disputa, na abertura da última volta, Fraga tinha 0.745 de vantagem para Barrichello mas na subida do café Cacá Bueno perdeu o controle do carro #0 e se encontrou com o muro de proteção, nada que pagasse o brilho da vitória de Felipe Fraga #88 da Cimed Racing. Barrichello ficou em segundo. O top-5 foi completo por Brito, Wilson e Khodair.

Confira a classificação final da Corrida do Milhão:

1-) 88 Felipe Fraga (Cimed Racing) – 1min40s285
2-) 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) – 0s411
3-) 77 Valdeno Brito (TMG Racing) – 5s180
4-)65 Max Wilson (Eurofarma RC) – 10s972
5-) 18 Allam Khodair (Full Time Sports) – 11s732
6-) 70 Diego Nunes (União Química Racing) – 14s078
7-) 4 Julio Campos (C2 Axalta Racing) – 18s585
8- ) 29 Daniel Serra (Red Bull Racing) – 22s508
9-) 83 Gabriel Casagrande (C2 Axalta Racing) – 24s367
10-) 46 Vitor Genz Eisenbahn (Racing Team) – 38s496
11-) 110 Felipe Lapenna (Hot Car Competições) – 38s542
12-) 26 Raphael Abbate (Hot Car Competições) – 43s129
13-) 3 Bia Figueiredo (União Química Racing) – 44s248
14-) 28 Galid Osman (Ipiranga-RCM) – 50s220
15-) 56 Danilo Dirani (RZ Motorsport) – 51s136
16-) 63 Nestor Girolami (Eisenbahn Racing Team) – 53s831
17-) 21 Thiago Camilo (Ipiranga-RCM) – a 1 volta
18-) 0 Cacá Bueno (Red Bull Racing) – a 2 voltas
19-) 73 Sergio Jimenez (Cavaleiro Sports) – a 2 Voltas
20-) 51 Átila Abreu (Shell Racing) – a 2 Voltas
21-) 11 Cesar Ramos (RZ Motorsport) – a 5 Voltas
22-) 10 Ricardo Zonta (Shell Racing) – a 6 Voltas
23-) 74 Popó Bueno (Cavaleiro Sports) – a 6 Voltas
24-) 8 Rafael Suzuki (Vogel Motorsport) – a 16 Voltas
25-) 9 Guga Lima (TMG Racing) – a 24 Voltas
26-) 12 Lucas Foresti (Full Time-ProGP) – a 24 Voltas
27-) 5 Denis Navarro (Vogel Motorsport) – a 25 Voltas
28-) 80 Marcos Gomes (Cimed Racing) – a 27 Voltas
29-) 90 Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) – excluído

A próxima etapa da Stock Car acontece no dia 25 de setembro, em Londrina, Paraná.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

Anúncios

GRANDES DISPUTAS NA COPA PETROBRAS DE MARCAS

podio

Foto: Duda Bairros/Brasileiro de Marcas/Vicar

Não é apenas a Stock Car que está em Interlagos neste final de semana. Além da categoria, a Mercedes-Benz Challenge, o Campeonato Brasileiro de Turismo, a F3 e a Copa Petrobras de Marcas. E foi nessa última que tivemos disputas neste sábado em Interlagos.

A pole position ficou com Guilherme Salas que liderou quase a prova inteira, mas a vitória ficou com Gabriel Casagrande que partiu do quarto lugar e conseguiu uma bela ultrapassagem sobre Salas e subiu no ponto mais alto do pódio. “Foi uma corrida bem cansativa. Estava muito quente dentro do carro. Eu não podia poupar porque tínhamos que fazer o resultado e eu sabia que para o campeonato era uma corrida muito boa. Eu tinha todos os meus concorrentes ao título atrás de mim, só que quando apareceu a oportunidade de pegar essa vitória, fui em busca, o Guilherme acabou dando um espacinho, foi uma manobra arriscada, confesso: se ele não tira o pé, ficavam os dois pelo caminho. Foi muito legal, a disputa entre eu e ele, tanto com o William e o Felipe, os caras que eu tive que ultrapassar. E agora começar o final de semana desse jeito é a melhor coisa possível e espero que o final de semana continue nesse ritmo”, afirmou Casagrande após a disputa.

A segunda colocação ficou com Felipe Tozzo que partiu originalmente dessa colocação, mas após  um toque no começo da disputa, o catarinense teve que fazer uma corrida de recuperação e acabou subindo no pódio após, da mesma forma que Casagrande, ultrapassar Salas nos momentos finais da disputa. “A corrida foi bacana, bem divertida. Eu fiz uma boa classificação mas acabei caindo para quinta colocação na largada e depois vim buscando em um ritmo bom, apesar de ter sofrido um toque na primeira curva que quebrou o meu parachoque e isso acabou afetando um pouco o desempenho”. “Mas nosso carro era bom e eu consegui recuperar e voltar para o segundo lugar. Foi uma bela corrida, e estou super feliz com o desempenho; isso prova que com determinação, vontade e amor pelo que a gente faz o resultado acontece”, concluiu Tozzo.

O pódio foi completo por Guilherme Salas seguido de perto por Gustavo Martins, atual líder do campeonato.

Confira a classificação final da primeira corrida da Copa Petrobras de Marcas em São Paulo:

1-) 83 Gabriel Casagrande (C2 Team/Renault Fluence) – 14 voltas em 26min57s617 (média de 134,4 km/h)
2-) 57 Felipe Tozzo (Friato Racing Team/Ford Focus) – a 7s489
3-) 21 Guilherme Salas (Greco/Renault Fluence) – a 8s631
4-) 0 Gustavo Martins (JLM Racing/Honda Civic) – a 10s986
5-) 33 R.Choate/L.Razia (RZ Motorsport/Toyota Corolla) – a 11s502
6-) 11 Nonô Figueiredo (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) – a 13s380
7-) 1 Thiago Marques (RZ Motorsport/Toyota Corolla) – a 13s489
8- ) 43 Vicente Orige (JLM Sport/Honda Civic) – a 18s708
9-) 28 Carlos Souza (JLM Sport/Honda Civic) – a 20s286
10-) 74 Odair dos Santos (Paraguay Racing/Toyota Corolla) – a 20s407
11-) 88 Thiago Klein (Paraguay Racing/Toyota Corolla) – a 22s698
12-) 555 Ayman Darwich (R.Sports/Chevrolet Cruze) – a 27s972
13-) 12 Marcio Basso (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) – a 31s078
14-) 31 Willian Starostik (C2 Team/Renault Fluence) – a 3 Voltas
15-) 17 Daniel Kaefer (JLM Racing/Honda Civic) – a 4 Voltas
16-) 55 R.Gargiolo/Renan Guerra (R.Sports/Chevrolet Cruze) – a 9 Voltas
17-) 22 Fabio Carbone (Greco/Renault Fluence) – a 12 Voltas
18-) 66 Enrico Bucci (Friato Racing Team/Ford Focus) – não completou

A segunda corrida do final de semana acontece na tarde deste domingo, (11), com largada prevista para às 14:25 da tarde, horário de Brasília.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

CORRIDA DO MILHÃO AGITA STOCK CAR EM RETORNO DAS FÉRIAS

stock

Foto: Duda Bairros/Stock Car/Vicar

Depois das merecidas férias, a Stock Car está de volta as pistas no próximo final de semana com a  Corrida do Milhão, que será realizada em Interlagos, São Paulo.

A semana que começou agitada com o anuncio da saída da Red Bull, promete ainda mais com os pilotos correndo atrás de uma bolada. Ao todo foram sete edições realizadas da etapa milionária com cinco vencedores diferentes. Thiago Camilo com três triunfos, 2011, 2012 e 2015, Valdeno Brito em 2008, Ricardo Mauricio em 2010, Ricardo Zonta em 2013 e Rubens Barrichello em 2014, subiram no pódio, mas um dado curioso é que de todos esse vencedores, o único que conquistou o título e venceu a corrida do milhão no mesmo ano foi Barrichello.

A disputa em São Paulo terá  45 minutos de duração, com largada prevista para às 10 horas da manhã, horário de Brasília, do próximo domingo, (11), e para essa etapa, a pontuação será dobrada, com o piloto vencedor levando 60 pontos para a tabela do campeonato, o que pode fazer a disputa pelo título ficar mais embaralhada do que já está.

Atualmente, Felipe Fraga é o líder da tabela de classificação com 133 pontos, 21  a mais que o segundo colocado, seu companheiro de equipe e atual campeão, Marcos Gomes. Em terceiro aparece Max Wilson com 110 pontos conquistados.

Para se ter uma ideia da importância da vitória neste final de semana, Fraga tem exatos 60 pontos de vantagem sobre Allam Khodair que é o 13° na classificação geral com 73, ou seja, a segunda metade do campeonato promete muito mais disputas.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

David Muffato é pole em Interlagos

muffato

Foto: Matheus Furlan /Templo dos Esportes/Jogo em Pauta

Na tarde deste sábado (30), foi realizada a formação do grid de largada para a etapa de São Paulo da Fórmula Truck. Em Interlagos, os caminhões mais rápidos do mundo mostraram do que são capazes e a pole position ficou com o MAN #35 de David Muffato que anotou o tempo de 2min03s272, essa foi a segunda pole do piloto na categoria.

A segunda colocação é de Wellington Cirino com o Mercedes #60 com o tempo de 2min03s293 e o terceiro posto foi marcado por Felipe Giaffone com o Volkswagen #4 com tempo de 2min03s334.

Confira o grid de largada para a Fórmula Truck em São Paulo:

1) David Muffato (MAN TGX), 2min03s272
2) Wellington Cirino (ABF Mercedes-Benz), 2min03s293
3) Felipe Giaffone (RM Competições-MAN), 2min03s334
4) Djalma Fogaça (DF Racing Fans), 2min03s365
5) Paulo Salustiano (ABF Mercedes-Benz), 2min03s702
6) Leandro Totti (Clay Truck Racing), 2min03s838
7) André Marques (RM Competições-MAN), 2min03s869
8) Régis Boessio (Boessio Competições), 2min04s013
9) Diogo Pachenki (Copacol Truck Racing), 2min04s834
10) Roberval Andrade (Dakar Motorsports), 2min05s203
11) Débora Rodrigues (RM Competições-MAN), 2min05s890
12) Joel Mendes Júnior (Fábio Fogaça Motorsports), 2min05s999
13) Valmir Hisgué Benavides (DF Racing Fans), 2min06s198
14) Alex Fabiano (ABF Azulim Indy Truck Racing), 2min06s301
15) Raijan Mascarello (ABF Racing Team), 2min07s309
16) Rogério Castro (ABF Racing Team), 2min07s479
17) Ronaldo Kastropil ( ABF Motorsport), 2min07s965
18) Pedro Muffato (Muffatão Racing), 2min09s753
19) Adalberto Jardim (RM Competições-MAN), 2min30s978
20) Beto Monteiro (Lucar Motorsport), sem tempo
21) Luiz Lopes (Lucar Motorsport), sem tempo

Beto Monteiro e Luiz Lopes que se classificaram 15° e 1° respectivamente tiveram seus tempos excluídos pois os caminhões da Iveco (que ambos  guiam), apresentaram fumaça demais segundo os comissários de prova.

A largada para a disputa da sexta etapa da temporada está marcada para às 14 horas, horário de Brasília.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

Por Matheus Furlan

Emoções e disputas na quarta etapa da Old Stock Race

old 1

Foto: Matheus Furlan/Templo dos Esportes / Jogo em Pauta

A cada etapa que passa, a Old Stock Race angaria mais carros, torcedores e claro emoções. Com um tempo quente em Interlagos, São Paulo, a categoria épica do automobilismo nacional viu grandes disputas.

Na primeira corrida do dia os pilotos não pouparam esforços para conquistar uma boa posição na disputa, e foi nessa de não poupar esforços que alguns acabaram se tocando e ficando pelo caminho. Logo de cara um toque entre Pedro Gomes #22 e Jorge Schuback #25, fez com que o segundo já ficasse pelo caminho. Gomes abandonou voltas a frente. Outros abandonos foram acontecendo mais o acidente de Rafael Lopes #54 chamou a atenção pelo fato do piloto ter ido de frente ao encontro com a barreira de pneus.

A disputa pela ponta também foi forte, Djalma Fogaça #72 tinha um carro bem acertado e disputou a ponta com Thiago Gonçalves #11, as voltas foram se passando até que houve o toque entre os dois e o #11 acabou rodando perdendo assim diversas posições. Fogaça falou sobre com exclusividade a nossa reportagem sobre o incidente na primeira bateria.“O Thiago (Gonçalves), é um piloto rápido e experiente, a disputa foi forte e a batida foi da briga, disputa de corrida, ele estava mal posicionado e acabou levando a pior”.

Fogaça assumiu a ponta, mas um problema em seu carro fez com que o mesmo começasse a perder rendimento e falou explicou o que aconteceu com o #72. “Quebrou o cardã. O carro não estava bom. O acerto não estava legal, bloqueava muito a roda dianteira, faltava um pouco de tração, mesmo assim deu para abrir uma grande vantagem no começo”. Fazendo uma corrida forte e de olho dos ponteiros, Rodrigo Helal #113 que largou de sexto assumiu a ponta da disputa e foi para a vitória na primeira bateria da quarta etapa da categoria. “Larguei de sexto lugar, vim administrando e consegui passar o pessoal  logo no começo e vim assistindo a briga do Djalma (Fogaça) e do Thiago (Gonçalves)  na minha frente e pensei, uma hora alguma coisa vai acontecer e não deu outra. Eles bateram na subida do Laranjinha. Eu aproveitei, coloquei  por dentro do Djalma, passei e fui embora. Eles foram ficando, consegui abrir uma distância. Foi uma boa corrida. Show!”,  concluiu o piloto do #113.

A segunda colocação ficou com Ronaldo Kastropil #53, que animado com a disputa falou que foi um dos sobreviventes da corrida. “A corrida de hoje eu fui um sobrevivente(risos)! Teve batidas de mais e eu escapei de varias. Eu quase nem treinei. Mas foi bem, foi divertido”. “Eu dei sorte, escolhia o lado certo e passava, mas teve gente que seu mal”, concluiu o piloto.

O Top-5 foi completo por Dimas III na terceira colocação, Vinicius Pimentel em quarto, (primeiro na categoria Old Man, acima de 55 anos) e Rodrigo Dimas na quinta colocação. Pimentel também sobre a vitória neste final de semana. “O pessoal estava meio “bruto”, mas foi uma corrida bem emocionante, muito difícil. Nosso carro não rendeu muito na classificação, melhoramos ele de ontem para hoje. Fizemos uma prova de recuperação, vinhamos bem, mas eu abusei um pouco e errei no “S’ do Senna, mas acabei chegando em uma colocação excelente, quarto na classificação geral e primeira na minha categoria que é o que interessa, então graças a Deus de tudo certo”, afirmou o piloto do modelo #38.

Confira a classificação da Old Stock Race após 12 voltas:

1° Rodrigo Helal

2° Ronaldo Kastropil

3° Dimas III

4° Vinicius Pimentel (M)

5° Rodrigo Dimas

6° Edson Souza

7° João Ometto

8° Thiago Gonçalves

9° Fabian Cordeiro

10° Marcos Philippi

11° Felipe Matos

12° Henrique Lambert (M)

*(M) pilotos da categoria Old Man – acima de 55 anos

old 2

Foto: Matheus Furlan/Templo dos Esportes/ Jogo em Pauta

Segunda bateria

A segunda bateria foi tão intensa ou mais que a primeira na capital paulista. Três carros lutaram pela ponta quase toda a disputa. Renan Guerra #93, Alex Dimas #2 e Rodrigo Helal #113 protagonizaram  emoções  curva após curva, volta após volta. Todos os três pilotos assumiram a liderança da disputa em algum momento, Guerra e Helal levavam vantagem no milo do traçado, mas nas retas, Dimas mostrava a potência do seu modelo.

O calor apertou, e os pilotos foram para as últimas voltas sempre na mesma tocada. Até que no último giro, Guerra ariscou e conseguiu a ultrapassagem sobre Dimas que vinha ponta, Helal encostou do #2, mas um retardatário ficou entre os pilotos e desta forma Renan Guerra ganhou a dianteira que precisava para passar pela bandeira quadriculada em primeiro, Alex Dimas ficou com o segundo posto e Rodrigo Helal em terceiro. Já bem próximo do trio, Rodrigo Leite #38 cruzou na quarta colocação e Marcos Philippi #64 fechou o Top-5 da segunda bateria.  Jorge Schuback  terminou em sétimo no geral, mas conquistou a vitória na Old Man com o #25.

Renan Guerra falou sobre a vitória na segunda bateria da categoria. “Foi a corrida inteira trocando a posição. Nosso carro é muito melhor de chão mas perdia muito na reta, então quando eu conseguia passar no miolo eles me passavam na reta de novo. Ficamos a corrida inteira sem saber o que iria acontecer. Mas graças a Deus, na última volta eu coloquei por dentro do laranjinha, consegui abrir uma distancia legal no miolo e deu para a passar em primeiro na quadriculada”, concluiu o jovem piloto do Opala #93.

Confira a classificação final da segunda bateria da Old Stock após 12 voltas:

1° Renan Guerra

2° Alex Dimas

3° Rodrigo Helal

4° Rodrigo Leite

5° Marcos Philippi

6° Molly Robson

7° Jorge Schuback (M)

8° Luis Lopes

9° Willian Zaza (M)

10°  Marcelo Pereira

11° Ricardo Zappelini

*(M) pilotos da categoria Old Man – acima de 55 anos

A próxima etapa da categoria acontece no dia 14 de agosto, em Interlagos, e podemos ter certeza que muito mais emoções na Old Stock Race.

Por Matheus Furlan

Dimas sobem no lugar mais alto do pódio na Old Stock Race

A Old Stock Race esteve em Interlagos, São Paulo, neste domingo (15), para a realização da sua segunda etapa da temporada inaugural da categoria. Com mais emoção e disputas a cada corrida que se passa, a categoria mostra um futuro cada vez mais brilhante.

A disputa é composta de duas baterias e na primeira a pole postion foi do carro #93 da dupla Felipe Matos/Renan Guerra que marcaram o tempo de 1m59s769, demonstrando um ótimo desempenho de seu Opala, ao seu lado na primeira fila o carro #2 dos irmãos Alex e Rodrigo Dimas.

old 2

Quando os carro partiram para corrida o que se viu foi muito apetite de todos os pilotos, mostrando que o traçado paulista ficaria pequenos para esses lendários carros. A disputa vinha forte com Rodrigo Dimas com o #2, Thiago Gonçalves com o #11, Rodrigo Helal #113, mas o que chamou a atenção no começo da foi o toque entre o carros de Pedro Marques #28 e Mario Boering #50, fazendo com que o primeiro rodasse no traçado paulista e logo depois foi acertado pelo modelo do numeral #9 de Marco Maragno.

Na ponta da disputa, Rodrigo Dimas teve trabalho com Gonçalves  e Helal, mas conseguiu segurar a ponta após alguns toques e chegou a sua segunda vitória em duas corridas. Thiago Gonçalves ficou em segundo, Rodrigo Helal em terceiro, Vinicius Pimentel em quarto e Nelson Santana em quinto lugar, marcando seu primeiro pódio na categoria.

Em entrevista exclusiva com a equipe do Jogo em Pauta/Templo dos Esportes, Rodrigo Dimas falou sobre a vitória na primeira corrida. “Foi uma corrida trabalhosa e desgastante. Desde o começo eles vinham com ritmo mais forte que o meu , eu estava com a traseira do carro com pouca aderência e eu vim administrando, trocando posição e acabei dando um pouco de sorte e fizemos um bom trabalho e deu certo”, afirmou o piloto do Opala #2.

Como já é de praxe na categoria, a disputa da Old Man também foi emocionante, com Pimentel que terminou em quarto no geral ficando com a vitória, Luiz Zapelini que sofreu uma punição com o acréscimo de 20 segundo no tempo final por fazer uma ultrapassagem em bandeira amarela, ficou em segundos, Dimas II com o modelo do numeral #6 em terceiro, Kener Garcia em quarto e Jorge Schuback em quinto.

Confira os cinco primeiros colocados na classificação geral da primeira corrida:

1° (2) Rodrigo Dimas – 12 voltas – 26m39s263

2° (11) Thiago Gonçalves +3.200

3° (113) Rodrgo Helal +7.169

4° (38) Vinicius Pimentel (M) +17.766

5° (71)Nelson Sant’ana +20.245

*numeral a frente do nome dos pilotos é para identificação dos carros

**(M) é da categoria Old Man

Segunda corrida

Para a segunda disputa do dia, alguns carros tiveram trocas de pilotos, Alex Dimas assumiu o lugar de Rodrigo Dimas no #2, Dimas III assumiu o modelo #6 de Dimas II, Molly Robson assumiu o #11 de Thiago Gonçalves, Rodrigo Leite assumiu o #38 de Vinicius Pimentel e Grego Lemonias assumiu o #23 de Fabio Franzoni.

old 1

Da mesma forma que a primeira disputa, a segunda foi repleta de ultrapassagens com Helal liderando a maior parte das voltas, mas conforme as curvas foram se passando Guerra foi se aproximando, da mesma forma que Dimas III que partiu da metade do pelotão.

Os três primeiros passaram a alternar as posições. Mais uma vez toques aconteceram, mas tudo dentro da corrida. Na última volta, Dimas III conseguiu passar os dois adversários e tocou na ponta dos dedos para conquistar a vitória, Renan Guerra terminou em segundo e Rodrigo Helal em terceiro, mas uma irregularidade na inscrição de Guerra fez com que o carro #93 fosse desclassificado e desta forma Helal herdou a segunda colocação e Luiz Zapellini, Old Man, herdasse o terceiro posto. Rodrigo Leite  e Nelson Sant’ana fecharam o pódio em quarto e quinto respectivamente.

Da mesma forma que o irmão, Dimas III, também conversou com a equipe do Jogo em Pauta/Templo dos Esportes sobre o triunfo em solo paulista. “Foi uma prova muito difícil. O nível dos pilotos que estão andando na categoria é muito alto. Não tem prova fácil. Eu larguei em nono e até o terceiro lugar eu fui bem, mas depois foi uma briga intensa a corrida inteira, foi daquelas de terminar esgotado, mas estou muito satisfeito, foi muito bom”.

old3Quem também conversou conosco, foi Nelson Sant’ana  que conquistou seus primeiros pódios neste final de semana na Old Stock Race. “É fantástico! Após andar na primeira etapa. Nós mudamos algumas coisas no carro, ele ficou bem mais rápido, tanto que ganhamos cerca de 5 segundos  por volta e pelo menos agora da para brigar com o pelotão da frente. Cheguei a andar em segundo na segunda bateria, em terceiro na primeira bateria, terminamos em quinto, tá ótimo! Agora são mais alguns ajustes e vamos conseguir chegar mais a frente”, afirmou o piloto do carro #71.

Na categoria Old Man, Luiz Zapellini ficou com a vitória, seguido por Kener Garcia em segundo e Jorge Schuback em terceiro. Grego Lemonias acabou desclassificado por irregularidades no carro #23.

Confira os cinco primeiros colocados na segunda corrida:

1° (6) Dimas III – 12 voltas – 24m55s011

2° (113) Rodrigo Helal +1.070

3° (72) Luiz Zapellini (M) +2.295

4° (38) Rodrigo Leite +7.546

5° (71) Nelson Sant’ana +22.649

*numeral a frente do nome dos pilotos é para identificação dos carros

**(M) é da categoria Old Man

A semelhança nos sobrenomes não é mera formalidade entre os pilotos dos carros #2 e #6. Dimas II é pai de Dimas III, Rodrigo Dimas e Alex Dimas. É verdadeiramente, a família reunida nas pistas da Old Stock Race.

O próximo show da espetáculo Stock Race está marcado para o dia 5 de junho, em São Paulo, e podemos ter certeza  que emoções não faltarão.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

por: Matheus Furlan

Old Stock Race tem abertura oficial em Interlagos

 

Foto: Matheus Furlan

Foto: Matheus Furlan

O autódromo de Interlagos em São Paulo foi o palco que deu início à abertura da temporada 2016 da Old Stock Race, categoria que estreia no calendário do automobilismo nacional.  A Old Stock Race é disputada por veículos Opala Chevrolet, e esquentou a disputa no circuito paulistano.

O autódromo de Interlagos está em obras, e por conta disso, as equipes e seus pilotos tiveram que concentrar os trabalhos na ala E- Central do circuito. Entretanto, esse contratempo não impediu que os pilotos dos Opalas fossem à pista. Na tomada de tempo, o Opala número #72, da dupla Djalma Fogaça e Luiz Zapellini conquistou a pole position, e dominou a disputa.

A corrida foi repleta de ultrapassagens e proporcionou muita emoção. Grego Lemonias largou no 18° lugar, mas fez uma corrida de recuperação e disputou as primeiras colocações. Lemonias mostrou seu bom desempenho já na classificação, apesar de ter sido penalizado com a perda de cinco posições por não comparecer ao briefing. Rodrigo Dimas, ou Rodrigo Pimenta, assumiu a primeira colocação com o Opala #2, e conquistou a vitória em Interlagos.  Depois de 11 voltas, Luiz Zapellini terminou em segundo, Marco Maragno em terceiro com o #9, Mario Broering em quarto com o #50, e Victor Franzoni com o #23 na quinta colocação.

Foto: Matheus Furlan

Foto: Matheus Furlan

O piloto Everson de Paula, pilotando o Opala #21, chocou -se com muita força contra a barreira de proteção após a curva do lago. O acidente fez com que a bandeira amarela fosse acionada, e o safety car entrasse na pista. Nas voltas finais e de acordo com a direção de prova, Grego Lemonias fez manobras proibidas ao ultrapassar adversários com a prova em bandeira amarela. Com isso, Lemonias foi punido com acréscimo de 20 segundos do seu tempo final. Então, o carro #18 perdeu o terceiro lugar e terminou a prova em nono na classificação geral, e em quarto lugar na categoria máster.

Rodrigo Pimenta declarou em entrevista aos sites Jogo em Pauta/Templo dos Esportes sobre a emoção de vencer em uma categoria em que ele viu o pai correr. “´É uma satisfação enorme, porque eu nasci e cresci no autódromo, cresci no autódromo. Eu era criança e meu pai venceu provas guiando esses carros, e agora depois de adulto, eu consigo vencer minha primeira corrida oficial. Puxa é uma sensação maravilhosa, que me deixa muito feliz”; declarou Rodrigo. 

A categoria Old Stock Race é dividida em duas competições dentro do mesmo grid. Existe a competição geral, com os cinco primeiros colocados e a Old Men, pelos pilotos que tem idade superior a 55 anos.  Nesta categoria, a vitória ficou com Luiz Zapellini, Jorge Schuback #25 chegou em segundo e Vinicius Pimentel tr#38 ficou com a terceira posição.

Zapellini contou sobre as dificuldades de guiar sob forte calor no circuito de Interlagos. “Fico feliz porque soube administrar a prova. Não precisava vencer, pois se eu ficasse em segundo, venceria minha categoria. Na máster, o objetivo foi cumprido e a largada custou a acontecer por conta do calor muito intenso. Fiz minha parte e entreguei o carro bem classificado ao meu companheiro de equipe Djalma Fogaça”; explicou Zapellini.

Na segunda bateria da prova, o grid é formado com as posições finais da primeira corrida. Alex Dimas, irmão de Rodrigo assumiu o carro número #2. Djalma Fogaça pilotou o #72, formando a primeira fila. Fábio Fogaça assumiu o #50 no lugar de Broering, e com essa configuração de grid que a família Fogaça proporcionou mais emoção à prova.

Com o pé no fundo do acelerador, Djalma Fogaça não demorou muito para assumir a primeira posição. Com ele, Fábio Fogaça, com um carro equilibrado, e mesmo não tendo treinado durante o final de semana, conseguiu um grande desempenho. Marcos Philippi com o #64 seguiu os irmãos Fogaça durante o começo da prova, da mesma forma que Grego Lemonias com o #18, mas os Fogaça fizeram valer a hegemonia da família.

Fábio vinha na frente, mas Djalma conseguiu a ultrapassagem. Logo em seguida, foi a vez do #50 voltar à primeira posição, com o #72 seguindo-o de perto até que ambos chegassem aos retardatários. Quando isso aconteceu, o carro de Fábio tocou em um destes.

Por conta deste choque, Fábio passou o decorrer da prova preocupado com o desempenho do carro. Na última volta, não havia como tirar o pé do acelerador, e em uma daqueles chegadas de tirar o fôlego, Djalma e Fábio cruzaram a linha final lado a lado, com o #72 levando uma vantagem de apenas 0.012 milésimos de segundo. Diferença inferior a um piscar de olhos.

Foto: Matheus Furlan

Foto: Matheus Furlan

Na segunda bateria, Djalma Fogaça terminou em primeiro, Fábio Fogaça em segundo, Marcos Philippi em terceiro, Rodrigo Helal em quarto, e Rodrigo Leite na quinta colocação.  Na categoria Old Men (master), o vencedor foi Kenner Garcia com o #95, Pedro Marques com o #28 foi o segundo, e Alcindo Moreira com o #43 ficou na terceira posição.

Após a vitória, Djalma Fogaça afirmou que sabia que teria trabalho com seu filho durante a disputa. “Não dou tanta importância à vitória!  Há muitas outras coisas que eu valorizo. Veja o caso do Zapellini, meu parceiro, que recentemente perdeu um filho. É o Grego Lemonias, Paulo Gomes e o Paulo Soláriz que estão organizado a categoria, é o esforço de todos os pilotos e todas as equipes numa situação tão difícil de se arrumar dinheiro. Todos os setores do país estão muito ruins. Mas o que importa realmente é dar valor à vitória legal. É emocionante demais quando se divide a bandeirada com o filho. (…) Isso sem o jogo de equipe sem nada, é corrida pura”.

Fábio Fogaça destacou a dificuldade de se pilotar o carro e o grande trabalho realizado por sua equipe em Interlagos. “A corrida foi um show. Para quem assistiu, esse pega no final meu e do meu pai deve ter sido muito legal. A chegada foi sensacional! Eu vinha com a corrida controlada, mas havia problemas no carro, que estava saindo de frente desde o começo. Como não treinei e vim direto para o corrida, isso complicou um pouco, porque eu não sabia como o carro estava. Felizmente consegui administrar até que encontrei um retardatário à frente, e como a maioria dos pilotos não veem bandeira, nós sabemos disso e não dá para reclamar. E com meu pai ganhando e eu em segundo, eu fico muito feliz”, afirmou Fogaça.

E é esse o espírito dos pilotos da mais nova categoria do automobilismo brasileiro, a Old Stock Race, que volta às pistas no próximo dia 15 de maio, em Interlagos, São Paulo para a segunda corrida da temporada 2016.

Curta: http://www.facebbok.com/templodosesportes

por: Matheus Furlan

Old Stock Race: emoção do começo ao fim

Foto: Matheus Furlan

Foto: Matheus Furlan

Espetacular! É como podemos definir o final de semana da Old Stock Race em Interlagos, São Paulo. os lendários Opalas se reuniram para mostrar que não importa o quanto tempo passe, um a lenda sempre será uma lenda!

Com um grande desenvolvimento, a Old Stock Race foi para o traçado de Interlagos com seus treinos e na classificação para  a primeira corrida de domingo, Djalma Fogaça #72 o mais rápido e conquistou a posição de honra no pista paulista.

Na corrida, Fogaça logo foi engolido pelo pelotão e na primeira perna do S do Senna, os competidores estavam lado a lado. Muita disputa, toques e acima de tudo respeito. Alguns carros tiveram percalços, mas nada que tirasse o impeto dos competidores e a primeira bateria teve a vitória de Thiago Rodrigues, que guiou o Opala Azul #11 de Molly Robson, na segunda colocação ficou  Rodrigo Helal #113 e em terceiro lugar Djalma Fogaça com o #72.

Confira os cinco primeiros colocados:

1º Molly Robson (Thiago Rodrigues) #11 – 26m19s080

2º Rodrigo Helal #113 – +1.605s

3º Djalma Fogaça #72 – +4.910s

4º Alex Dimas #4 – +5.294s

5º Marcos Phillipi #64 – +7.582s

O jovem piloto Thiago Rodrigues conversou com a equipe do Jogo em Pauta/Templo dos Esportes e falou sobre a corrida, o desenvolvimento do carro e a falta de gasolina no final da disputa. “Nos treinos nós não estávamos felizes, estávamos tendo problemas nos carro e não acertamos até a classificação onde largamos em oitavo lugar, mas ai nós descobrimos um problema sério no carro na noite anterior, e foi a solução. Na corrida o carro estava excelente, abria a cada volta, e faltando três voltas para terminar a corrida, ficamos preocupados com a falta de combustível, mas “chacoalha para um lado, para o outro” e nós conseguimos chegar para completar o sucesso da equipe com um carro perfeito”.

Foto: Matheus Furlan

Foto: Matheus Furlan

A segunda bateria não deixou nem um pouco a desejar e levou o publico a loucura em Interlagos. Diversos carros entraram na primeira sessão de curvas lado a lado com os adversários e que acabou levando a melhor foi o jovem Renan Guerra #93, que teve problemas na primeira corrida com a bomba de combustível de seus modelo, se acertou e sobrou no traçado paulista. Disputou algumas voltas com o chefe de equipe, Robson, afinal os Opalas #11 e #93 são da equipe Alto Giro.

Com Guerra desgarrado na frente, começou a busca pelo jovem e quem chegou mais perto foi Rodrigo Helal #113 que ocupou o segundo posto, da mesma forma que na primeira corrida. Pedro Marques com o #28 terminou me terceiro lugar, Molly Robson em quarto e Luis Zappelini que assumiu o #72 de Fogaça terminou em quinto lugar.

Confira os cinco primeiros colocados na segunda corrida:

1º Renan Guerra #93 – 24m55s797

2º Rodrigo Helal #113 – +4.565s

3º Pedro Marques #28 – +7.097s

4º Molly Robson #11 – +15.630s

5º Luiz Zappelini #72 – +16.379s

Renan Guerra também conversou com a equipe do Templo dos Esportes/Jogo em Pauta e falou sobre a disputa em Interlagos, “Eu vim isso na equipe Auto Giro, eles vem evoluindo o carro, sentei no carro realmente para testar, infelizmente na primeira bateria o carro teve problema na bomba de combustível e tive que abandonar e largando de último, com o carro parando de falhar, tudo certo, tínhamos um equipamento de ponta e conseguimos recuperar o prejuízo da primeira corrida. Mas foi muito bom e a experiencia da estreia e a vitória foi ótimo”.

Agora a Old Stock Race volta as pistas no mês de março e com uma expectativa de uma temporada maravilhosa em 2016.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

por: Matheus Furlan

Old Stock Race realiza testes para primeira corrida em São Paulo

Foto: Matheus Furlan / Templo dos Esportes

Foto: Matheus Furlan / Templo dos Esportes

No final de semana dos dias 19 e 20 de dezembro, a Old Stock Race disputou sua primeira corrida no autódromo de Interlagos, São Paulo. Com muita emoção na pista, os primeiros treinos mostraram carros muito rápidos, pilotos experientes e cheios de vontade de andar forte com essas máquinas.  Na pista somente carros Chevrolet Opalas 1979.

A equipe do Jogo em Pauta/Templo dos Esportes esteve presente na manhã deste sábado. Lá conversamos com Djalma Fogaça #72, piloto da Fórmula Truck, que com o mesmo numeral disputará a categoria ao lado de seu filho, Fábio Fogaça. “O Monstro” como é conhecido no circo do automobilismo falou um pouco sobre o convite para guiar na categoria, além de suas impressões sobre o carro.

Clique aqui para ouvir na integra a entrevista com Djalma Fogaça.

“A história desse carro aqui em Interlagos, começou a ser contada há 15 dias. Então, a equipe ligou para mim e disse: Fogaça, você anda com a gente, nós estamos montando o Opala. (…) Eu andei no dia da apresentação, com o carro do Grego, cujo carro teve mais testes e já tinha tido uma boa impressão. Essa equipe Fast Racing, nunca havia montado um Opala. O carro PE um “chão” (estabilidade) do carro, o que me deixou muito bem impressionado. Nós temos uma deficiência no motor, mas tenho certeza que o “chão” deles é muito melhor que o dos outros, então, estou bem. Andamos cerca de sete, oito voltas. Ontem (sexta feira), o Fábio guiou o carro, que estava com problema de motor, pois havia uma junta de cabeçote queimada. Então, o carro dava uma volta, esfriava uma, na subida da Junção, e eu tinha de tirar o pé, por causa da alta temperatura. Hoje resolvemos os problemas e conseguimos uma sequencia de voltas”; contou Fábio Fogaça

“Nós viemos para brincar (…), então se chegarmos na quinta posição já está de bom tamanho. Mas chega aqui, um cara que levou a sério a carreira inteira, 33 anos, não consegue brincar, não é? De qualquer forma, estou feliz, pois essa é uma categoria que tem baixo custo, pouco investimento, e no que eu puder ajudar eu vou ajudar no desenvolvimento da categoria”; explicou Fogaça.

Fogaça ainda afirmou que seu carro está cortando (deixando de injetar combustível) quando atinge 5.500 giros, enquanto os demais chegam a seis mil. Ou seja, o desempenho de retomada afeta diretamente na velocidade. Entretanto, o carro #72  sempre anda  no pelotão da frente, e se depender da confiança de Fogaça, a disputa já está ganha.

A Old Stock Race realizará duas corridas neste domingo, cada prova terá a 30 minutos de duração. A primeira disputa está marcada para as 10 horas da manhã e a segunda para às 13h30minhs, horário de Brasília.

Por: Matheus Furlan

Adaptação: Ivan Marconato

Renault domina em Interlagos. Meira é campeão

Foto: bhttp://brasileirodemarcas.com.br/

Foto: bhttp://brasileirodemarcas.com.br/

O Brasileiro de Marcas ou a Copa Petrobras de Marcas conheceu seu campeão no último final de semana em São Paulo. Em Interlagos, Vitor Meira e seu Honda Civic #3 levantaram o troféu da temporada ao somar 226 pontos, mas sem conquistar nenhuma vitória na temporada 2015.

Na primeira corrida do final de semana no sábado, Barrichello anotou a pole position  mas não conseguiu segurar Fabio Carbone, ambos de Renault Fluence, e com isso o jovem Carbone ficou com a vitória, Barrichello em segundo, Guilherme Salas de Chevrolet em terceiro, Vitor Meira de Honda em quarto e Gustavo Martins de Honda em quinto.

Confira a classificação final da primeira corrida:

1-) 45 Fábio Carbone (Full Time Sports/Renault Fluence) – 13 voltas em 28min22s441 (média de 118,6 km/h)
2-) 111 Rubens Barrichelo (Full Time Sports/Renault Fluence) – a 1s512
3-) 12 Guilherme Salas (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) – a 2s126
4-) 3 Vitor Meira (JLM Racing/Honda Civic) – a 5s194
5-) 0 Gustavo Martins (JLM Sport/Honda Civic) – a 7s757
6-) 11 Nonô Figueiredo (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) – a 8s222
7-) 83 Gabriel Casagrande (C2 Team/Renault Fluence) – a 12s500
8 -) 38 G.di Mauro/S.Ramalho (C2 Team/Renault Fluence) – a 14s193
9-) 17 Daniel Kaefer (RZ Motorsport/Toyota Corolla) – a 15s732
10-) 57 Felipe Tozzo/Mauri Zaccarelli (JLM Sport/Honda Civic) – a 15s786
11-) 43 Vicente Orige (JLM Racing/Honda Civic) – a 16s584
12-) 9 Rodrigo Baptista (Bassani Racing/Toyota Corolla) – a 17s295
13-) 31 Willian Starostik (Bassani Racing/Toyota Corolla) – a 18s292
14-) 88 Alberto Cattucci (KFF Pro Racing/Chevrolet Cruze) – a 39s398
15-) 1 Thiago Marques (RZ Motorsport/Toyota Corolla) – a 1 volta
NÃO COMPLETARAM
16-) 99 Cesar Bonilha (Jupiter Racing/Ford Focus) – a 5 voltas
17-) 555 Ayman Darwich (KFF Pro Racing/Chevrolet Cruze) – a 7 voltas
18-) 199 Marcelo Rocha (Jupiter Racing Team/Ford Focus) – a 9 voltas

Foto: Fernanda Freixosa / brasileirodemarcas.com.br

Foto: Fernanda Freixosa / brasileirodemarcas.com.br

Na segunda corrida já com pista seca no domingo, Toyota e Renault fizeram grande duelo pela liderança, mas na disputa pelo título Meira partiu cauteloso, Nonô Figueiredo de Chevrolet e Gustavo Martins de Honda Civic, postulantes ao título acabaram por se enroscar e sair do traçado, assim com sorte de campeão, Meira seiu de forma tranquila e terminou a disputa na oitava colocação, acima do 12° que ele precisava e ficou com o título.

A vitória na etapa ficou com Gabriel Casagrande #83 de Renault, Barrichello ficou em segundo, Kaefer de Toyota em terceiro, Guilherme Salas em quarto e Thiago Marques em quinto lugar.

Confira a classificação da segunda corrida em São Paulo:

1-) 83 Gabriel Casagrande (C2 Team/Renault Fluence) – 15 voltas em 27min55s665 (média de 139,0 km/h)

2-) 111 Rubens Barrichelo (Full Time Sports/Renault Fluence) – a 3s741

3-) 17 Daniel Kaefer (RZ Motorsport/Toyota Corolla) – a 4s957

4-) 12 Guilherme Salas (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) – a 5s796

5-) 1 Thiago Marques (RZ Motorsport Toyota/Toyota Corolla) – a 11s376

6-) 43 Vicente Orige (JLM Racing/Honda Civic) – a 18s143

7-) 0 Gustavo Martins (JLM Sport/Honda Civic) – a 20s171

8 -) 3 Vitor Meira (JLM Racing/Honda Civic) – a 20s247

9-) 38 G.di Mauro/S.Ramalho (C2 Team/Renault Fluence) – a 32s417

10-) 57 Felipe Tozzo/Mauri Zaccarelli (JLM Sport/Honda Civic) – a 33s293

11-) 11 Nonô Figueiredo (Onze Motorsports/Chevrolet Cruze) – a 33s293

12-) 199 Marcelo Rocha (Jupiter Racing Team/Ford Focus) – a 44s808

13-) 15 Bia Figueiredo (Toyota Bassani Racing/Toyota Corolla) – a 44s842

14-) 88 A.Cattucci/M.Lund (KFF Pro Racing/Chevrolet Cruze) – a 1min16s3

15-) 9 Rodrigo Baptista (Bassani Racing/Toyota Corolla) – a 1 volta

NÃO COMPLETOU

16-) 45 Fábio Carbone (Full Time Sports/Renault Fluence) – a 7 voltas

17-) 99 Cesar Bonilha (Jupiter Racing/Ford Focus) – a 13 voltas

18-) 555 Ayman Darwich (KFF Pro Racing/Chevrolet Cruze) – a 13 voltas

Campeonato

A montadora Honda contou com o grande desempenho e regularidade de Vitor Meira e Gustavo Martins que não venceram nenhuma prova na temporada mais ficaram como campeão e vice campeão respectivamente e ficou com o título de montadoras superando Renault em 2°, Toyota em 3°, Chevrolet em 4° e Ford em 5°. Confira a classificação final do campeonato de pilotos:

Foto: Fernanda Freixosa / brasileirodemarcas.com.br

Foto: Fernanda Freixosa / brasileirodemarcas.com.br

1-) Vitor Meira – 226 pontos
2-) Gustavo Martins – 199 pontos
3-) Guilherme Salas – 190 pontos
4-) Nonô Figueiredo – 188 pontos
5-) Vicente Orige – 188 pontos
6-) Gabriel Casagrande – 186 pontos
7-) Thiago Marques – 172 pontos
8 -) Daniel Kaefer – 166 pontos
9-) Rubens Barrichello – 154 pontos
10-) Cesar Bonilha – 133 pontos

A categoria volta as pistas nos dias 5 e 6 de março em Curitiba no Paraná, e a cada ano que passa a categoria fica mais forte e por ter os custos mais baixos que outras em âmbito nacional  vem ganhando muitos adeptos.

Curta: http://www.facebook.com/templodosesportes

por: Matheus Furlan